Não consigo pensar em musicais medianos. De todos aos que assisti, há os que deixam (muito) a desejar e os encantadores. Um de meus maiores sonhos é conhecer a Broadway, mas quem disse que não há produções de qualidade no Brasil? Tudo bem, há sempre a possibilidade de um tiro no pé, mas exemplos como Cabaret, com Cláudia Raia, revigoram a crença de que, afinal, o cenário só depende de bons profissionais, gente talentosa e uma boa história — ingredientes todos encontrados em Cássia Eller: o Musical, que encontrou no Teatro Positivo mais um lugar para brilhar!

DO LADO DO AVESSO

Havendo um cenário simples e uma proposta de apresentação sem personagens escondidos, Tacy de Campos, ao entrar no palco e ser ovacionada, mostra que a peça, afinal, é tudo o que Cássia Eller representou para uma geração: choque! Com os seios à mostra e uma naturalidade encantadora, é interessante observar que tabus devem ser necessariamente discutidos. O corpo feminino é tão livre quanto qualquer corpo de qualquer ser humano. E que voz!

Durante o enredo que passa desde a história da primeira namorada assumida até o último show, que não aconteceu, o espectador é levado por uma gama de emoções conflitantes, não consegue escolher um lado, não pode criticar coisa alguma… Ele presencia, nos palcos, o desenrolar de uma vida que não é a sua, da qual não faz parte, mas encontra ecos de experiências próprias em cada diálogo ou canção executada.

Há relacionamentos amorosos não convencionais, experimentações. Há contato com substâncias ilícitas, a sensação de “brisar” pela primeira vez, a cocaína em cantos mais escuros. Há bebida, muita bebida. Interesse comercial, inquietação própria, descontentamento. Tacy, que é curitibana, deu vida à Cássia extremamente tímida e preocupada com a família, à Cássia que não deixou de viver um momento sequer até o fim.

Aqui, cabe uma observação: tímida sim! Não é porque ela não tinha problemas com seu próprio corpo e a exposição dele que fosse extrovertida. São âmbitos diferentes, e o que a peça e a vida da cantora trazem é uma aula de feminismo que deve ser ovacionada! Uma mãe pode jogar futebol com seu filho sem ser taxada de masculina. Uma mulher deve ter o direito de fazer o que bem entender com sua vida sem interferência de padrões sociais. A mulher faz parte da sociedade, a constrói.

IMG_2548

Claro que essa peça é inadequada para a tradicional constituição familiar, quase um atentado. Por isso, deve ser contemplada por toda e qualquer pessoa! Ela beijou e transou com mulheres e homens. Ela experimentou drogas e abusou delas. Ela teve um filho e pensou em cada passo de sua construção. Ela teve amores. Ela viveu!

Quanto ao elenco, não há nem uma observação negativa. São músicos impecáveis, atores impecáveis. Há de se dar o devido destaque a Emerson Espíndola (que interpretou inclusive Nando Reis) e Evelyn Castro — que assumiu as rédeas do humor desenfreado da peça. As músicas passam de Nirvana e Janis Joplin a Jacques Brel e Nando Reis. Já as piadas são todas com referências e sacadas inteligentes e acessíveis, cotidianas.

Ne me quitte pas emocionou, assim como Por enquanto e AllStar. Foram mais de duas horas de espetáculo que extasiaram o público, exceto pelos comentários e olhares de reprovação daquela mesma base conservadora que tanto se vê por aí. Para eles, mais seios e palavrões. Cuspidas no palco. Agressividade, passionalidade.

NÃO TEM EXPLICAÇÃO

O que podemos aprender com artistas fenomenais como os do elenco e uma boa execução? Que a vida real acontece mesmo enquanto se assiste a uma peça de teatro. Os ensinamentos que uma boa história de vida contada da maneira certa pode trazer são mais do que falas a serem esquecidas: são trechos que ecoam até o fim.

Cássia Eller foi drogada, sexualmente desinibida, alcoólatra. Ela foi namorada, mãe, filha. Tímida, depressiva, feliz e sonhadora. Foi uma artista única! Cássia Eller foi viva! Quantos podem dizer o mesmo? Todo mundo… A perspectiva que se dá às experiências é que determina a própria constituição como indivíduo.

A toda a equipe, um grandioso parabéns. A nudez da peça não é física. É da alma de Cássia. Da alma de Tacy e de todo mundo que se dedicou a produzir algo de tamanha qualidade. A alma de quem assiste. A alma de quem escreve. A nudez, a crueza, a beleza e o desespero de cada cena, afinal, é a nudez de vidas bem vividas. Se o pra sempre sempre acaba? Sim. Entretanto, foi, em dado momento, pra sempre. O pra sempre viveu!