Foto: Divulgação/Página oficial

Na última sexta-feira (22), Marisa Orth trouxe ao palco do Guairão a peça/musical Romance Volume III – Agora Vai! Em mais de uma hora de espetáculo, a artista se revezou entre uma espécie de stand-up com pausas musicais.

O tema da noite envolvia relacionamentos, em uma definição que arrancou risadas do público e cativou a plateia. Após alguns minutos de falas irônicas e ácidas, voltou a cantar. E o principal problema do espetáculo começou.

Na música, não basta apenas uma voz bonita. É necessário que haja expressão, sentimento, e os trejeitos da atriz no palco não foram suficientes para convencer o teatro quase lotado. Numa espécie de coito interrompido, era visível a inquietação do público a cada música iniciada, como se as canções freassem o potencial da peça. Volta e meia um ou outro cantava junto ou a acompanhava mexendo os braços timidamente, mas não passou muito disso.

Por outro lado, a banda desenvolveu um trabalho que beirou o impecável. Em um momento de troca de figurino, os músicos brilharam mais que a própria estrela da noite. Todo o espetáculo foi construído em torno de Orth, e mesmo assim foi possível se esquecer dela em vários momentos.

A sensação que fica é que poderia ser um show da banda ou um stand-up com Marisa contando causos e destilando seu humor inteligente. Misturar? Não funcionou. Não que eu quisesse resgatar o famoso bordão de Sai de Baixo o tempo inteiro… Só quando Marisa cantava.