Para aqueles paranaenses raizes, aqui vai uma notícia sobre uma das iguarias que o Estado tem o orgulho de carregar! A partir desta quinta-feira (01), a colheita, venda, transporte e armazenamento do pinhão está liberada. O responsável pela liberação é o Instituto Água e Terra (IAT), vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo.

Para aqueles que não deixam a oportunidade passar, a recomendação é que a semente (pinhão) seja colhido de pinhas que já caíram. Isso porque além de ser um sinal mais garantido de que o pinhão está pronto para ser consumido, evita que a pessoa corra o risco de queda ao subir numa araucária para colher a semente.

Foto: Divulgação SEDEST/IAT

Porém, vale lembrar que mesmo sendo colhido na data permitida, é proibido o consumo e venda do pinhão verde. As pinhas imaturas (verdes) apresentam a casca esbranquiçada e alto teor de umidade, o que favorece a presença de fungos, podendo o alimento se tornar até tóxico para o consumo humano. Se consumido, pode prejudicar a saúde com problemas como a má digestão, náuseas e até episódios de constipação intestinal.

Uma dica é: procure receitas na internet do que fazer com pinhão e aproveite o tempo em casa para testá-las. Vai que você descobre uma receita nova para passar de geração em geração, hein?