Oi, gente, há um tempo atrás eu pedi que me mandassem ideias de pautas, mas como ninguém tá nem aí pro que eu digo – vide a coluna da semana passada, eu recebi uma, uminha sugestão somente. A Mia Macedo – maravilhosa – sugeriu colocar um pouco de conhecimento nessa baderna aqui, então, na última quarta-feira de todo mês vou trazer procês um estilo diferente de tattoo. Porém, como já disse a Drica em um comentário passado, como nada aqui “tem pé nem cabeça”, não vou seguir cronologia ou história, só escolhi o New Trad hoje porque sim.

Enfim, vamos lá.

O New Traditional mistura ícones da tatuagem tradicional ocidental com técnicas de pintura New School – sobre a qual provavelmente falarei no mês que vem. Um dos estilos que deu origem à tatuagem ocidental foi o Old School, predominantemente com temas da cultura norte-americana. Entre os principais signos desse estilo estão: águias, âncoras, andorinhas, rosas, corações, embarcações, faróis, pin-ups, entre outros. Em função da tecnologia da época, a cartela de cores utilizada era bem reduzida, limitando-se ao uso do preto, amarelo, verde, azul e vermelho.

As tattoos tradicionalíssimas do Henrique Véio

As tattoos tradicionalíssimas do Henrique Véio

Alguns dos trabalhos mais tradicionais em Old permitem apenas o uso de três cores, desta já reduzida cartela, por tatuagem. Com o avanço da tecnologia na produção de tintas e uma maior gama de cores, surge o New School, estilo que trabalha com desenhos com traços cartoon, distorcidos, caricatos e muito coloridos.

O New de Duda Santana

O New de Duda Santana

Então, em meados de 2008 nasce na Europa o New Trad. Esta vertente trabalha com desenhos típicos do Old, porém, com técnicas de pintura New, que incluem cores ilimitadas, sombreados leves, traços coloridos, volume, profundidade – o que dá um ar mais realista às obras – e degradês de cores. Diferentemente dos trabalhos de New School, o New Traditional respeita proporções e simetria e não utiliza traços cartunizados.

Foi deveras difícil escolher somente algumas imagens pra ilustrar essa coluna, porque eu amo o New Trad e aqui em Curitiba tem MUITA gente mandando benzão nessa pegada.

Me contem o que acharam dessa ideia de discutir alguns estilos aqui. Acho que é isso aí, né?

Au revoir.