Grandes shows geram grandes expectativas. Locais como a Pedreira Paulo Leminski acrescentam uma beleza incomparável aos eventos que lá ocorrem. Agora, qual será o resultado de uma banda se apresentando a um público cativo e devoto depois de alguns anos de hiato? Bem, aí temos Los Hermanos!

Milhares de pessoas se juntaram nas pistas e camarotes que compunham a estrutra esperando, ansiosas, pelo retorno de um grupo que, de uma forma ou outra, marcou suas vidas. Caminhando entre todo esse povo, não era incomum escutar frases como “tomara que toquem tal faixa”. “Viramos as melhores amigas por causa deles… Desenhávamos nos cadernos bonecos de palito representando títulos das músicas”.

As luzes, então, diminuíram e, calmamente, os músicos entraram. Marcelo Camelo, Rodrigo Barba, Bruno Medina e Rodrigo Amarante, com um time de músicos bem competente, já arrancaram um coro logo de cara com O Vencedor. A partir daí, nenhuma música passou em silêncio, havendo, sempre, o acompanhamento do público, que chorava, conversava, dançava, pulava e, ainda que apenas com movimentos dos lábios, apreciava, encantado, a performance dos rapazes.

12170294_10205230916641058_1674314401_nFoto: Amanda Queiroz/Curitiba Cult

O mais interessante de tudo é que, mesmo com a pouca interação, o clima descontraído do show não dava a entender que eles estavam se apresentando pra tanta gente, o contrário de um outro evento aí. Cada música que começava causava um arrepio na espinha, nem tanto pela canção em si, mas pela onda de excitação que percorria a pedreira. Também pudera! Tratava-se de praticamente um best of executado ao vivo por uma banda com uma legião de seguidores.

Talvez tenha sido essa familiaridade que tenha dispensado qualquer efusividade maior. Não havia a sensação de surto coletivo que acomete várias apresentações. Só para se ter uma ideia, em um dos espaços um pouco mais vazios da pista VIP, uma menina estava sentada em uma canga e cantou faixa por faixa com os olhos brilhando. Havia um casal que, de mãos dadas, se olhava nos olhos entoando o Último Romance. Logo, o bis.

Mostrando que faz direitinho a lição de casa, Rodrigo Amarante, em uma improvisação que chegou a ser fofa, focou a projeção das telas e a saída de som em seu celular. O que havia nele? Leminski! Falando de poesia sem sentido. Falando que a verdadeira poesia não tem significado. Que é destituída de obrigações.

12167148_10205230916761061_75837430_nFoto: Amanda Queiroz/Curitiba Cult

Estavam todos, afinal, em um show poético. Depois de hits como Anna Júlia e Quem sabe, a banda encerrou a noite contando uma história de amor mal-sucedida. Pierrot chora. O público? Também.

Los Hermanos levou embora Colombina e Arlequim. Entretanto, ninguém, imagino, vai beber para esquecer. Vai mais é beber e comemorar a apresentação que… Acabou!

“Escrevo. E pronto.
Escrevo porque preciso,
preciso porque estou tonto.
Ninguém tem nada com isso.
Escrevo porque amanhece,
E as estrelas lá no céu
Lembram letras no papel,
Quando o poema me anoitece.
A aranha tece teias.
O peixe beija e morde o que vê.
Eu escrevo apenas.
Tem que ter por quê?”

Leminski