Vamos sentar e conversar. Pegue o copo de café, eu espero. Pronto? Vou contar uma história, é pessoal, é minha. Desde pequeno sempre li muito, e pequeno mesmo, quatro anos e gibis da Disney, almanaques antigos, parrudos, dos que não existem mais. Turma da Mônica nem se fala (minha assinatura mensal que o diga). Aí comecei não muito depois a escrever, tendo como exercício com minha irmã escrever ditados de pequenas frases. Só não podia começar com “F” a sentença. Eu não sabia fazer maiúsculo.

Fui descobrindo mais. O Farol do Saber era ao lado da escola, então sempre me pegava indo para lá desde os seis anos de idade, com o pai, paciente sempre, levando pela mão. Na quarta série, já um pouco mais tarde, em um evento desses de quarta série, as crianças narravam um livro cada uma, fantasiadas. Entre títulos com uma frase e uma figura por página, de 13 páginas e olha lá, achei O Menino Maluquinho, do Ziraldo, mais parrudo, com mais história. Não sei até hoje se os pais, entediados, pensaram em me matar. Peço desculpas.

Na igreja não era diferente, e eu deixei de frequentar porque percebi que minha presença lá não era pela fé. Era a vontade de conhecer histórias, de ler. Só que isso foi muito depois de, lá pelos 12 anos, encontrar um ninho em Júlio Verne, sendo que pouco depois entrei em contato com Monteiro Lobato. Li as coleções. Meu Farol do Saber, muito te devo!

farol_do_saber_rubem_braga_702_13141106_orig_1

Podemos elencar ao rol de leituras dessa época os inúmeros livros da Coleção Vagalume, os do Sidney Sheldon, o começo de Harry Potter, Narnia, Senhor dos Anéis, Mario Puzo… Sim, o tempo foi passando. De repente eu estava com 19 anos entrando na Universidade Federal do Paraná para começar o tão sonhado curso de Letras. Meu hobby por tanto tempo!

Ali, comecei a me aprofundar no que mais amo desde que me conheço por gente e revi de maneira séria literaturas grega e latina clássicas (pelas quais sou apaixonado desde Os Doze Trabalhos de Hércules e O Minotauro, com Emília e cia., lá pela quinta série), romance, poesia, teatro — das línguas inglesa, alemã, francesa, italiana. Tive contato com o que de melhor a literatura nacional pode oferecer. Professores que falam de autores historicamente reverenciados como quem toma café e conta fofoca. Morfologia, sociolinguística, fonética, fonologia. Aprendi a perfeição técnica de Edgar Allan Poe e destrinchei poemas de Baudelaire.

Resumindo, respiro literatura e preciso falar dela. Lanço neste espaço um convite: fale você também. Traga concepções malucas, fale sem pretensão. Associe um estudo antropológico ou diga que parece uma cena de uma comédia romântica. Traga suas referências. A cada semana, trarei uma perspectiva despretensiosa de algum autor recente que eu tenha lido. Com quem vamos começar? Franz Kafka, Na Colônia Penal. Comentários feitos em uma insônia. Bem-vindo à Derrame das Letras. Termine seu café. Até breve!

P.S.: Emília não tinha cabelos coloridos na série de livros.

5bbfaa5633295e1fbb443215193baa28