(Foto/Reprodução: Prefeitura de Guarapuava)

Se você é apaixonado por cachoeiras, conhecer o Salto São Francisco, no centro do Paraná, é uma experiência que, definitivamente, precisa estar na sua lista. A maior queda d’água do Sul do Brasil e uma das maiores do país está localizada na tríplice-fronteira entre Guarapuava, Prudentópolis e Turvo.

O Salto está dentro da área de preservação ambiental da Serra da Esperança, que vem sendo bastante explorada pelos três municípios por seu potencial turístico. Antes do período de pandemia, estava sendo comum a realização, em diversos pontos do parque, de atividades ligadas ao turismo aventura, com voos de paratrike por exemplo, e turismo rural, com tour gastronômico em propriedades de produtores locais. Agora, com as medidas de isolamento um pouco mais flexíveis, as atividades turísticas paralelas estão retornando aos poucos.

Salto São Francisco possui pista para voo livre (Foto/Reprodução: Moacir Cruz/Facebook)

A principal atração, o Salto, possui aproximadamente 196 metros de queda livre, o que equivale a um prédio de 60 andares. Hoje, os caminhos que levam para o ponto turístico contam com trilhas e vista panorâmica da cachoeira. O local impressiona, também, pela composição da paisagem, com grandes paredões que formam uma espécie de cânion ao longo do leito do Rio São Francisco.

O acesso ao Salto pode ser feito pelos três municípios e as atrações turísticas em cada rota são administradas pelas respectivas prefeituras. A queda d’água pode ser visitada em qualquer dia da semana, durante horário comercial.

(Foto/Reprodução: Nós Dois Por Aí)

Viagem por Guarapuava (250 km de Curitiba)

Para ir ao Salto, é necessário pegar o Caminho de São Francisco, uma estrada de aproximadamente 50 quilômetros quase toda asfaltada. A rota tem início próximo ao acesso principal de Guarapuava, via marginal, na BR-277, ao lado do Parque das Araucárias.

Viagem por Prudentópolis (210 km de Curitiba)

A partir de Prudentópolis, o acesso é pela estrada Linha Vista Alegre. Lá também são quase 50 quilômetros de estrada, parte asfalto e parte cascalho. Se o dia estiver chuvoso, é melhor reconsiderar a ida através desta rota.

Viagem por Turvo (290 km de Curitiba)

Essa rota costuma ser usada, principalmente, por moradores do Norte do Estado que desejam conhecer o Salto. O acesso pode ser feito através da PR-466. A rota conta com duas estradas rurais, que também possuem cerca 50 km cada.

(Foto/Reprodução: Rafael Fernando/Thousand Wonders)

Dica 1: As três cidades possuem agências turísticas que podem ajudar nas orientações para viagem ao Salto, vale pesquisar por elas e dar uma ligadinha antes de se aventurar.

Dica 2: Para quem viajará um longo trajeto para chegar ao Salto, vale cogitar a estadia de um final de semana na região. Os três municípios possuem diversos outros pontos turísticos que valem a pena ser conhecidos, incluindo diversas outras cachoeiras.

Dica 3: Se você estiver com planos de descer até a base do Salto, comece o trajeto cedo. O tempo médio entre descida e subida é de cerca de 4h.