Todos nós fomos crianças e nos achávamos o máximo, até que alguém nos disse que não éramos bons o suficiente e então começamos a nos questionar sobre isso. Nos tornamos inseguros e cheios de pensamentos de inferioridade. Crescemos e vamos reagindo ao que nos acontece sem muitos questionamentos de por que nos sentimos assim.

A nossa criança interior, ou seja, a criança que fomos um dia, permanece dentro de todos nós. Essa criança pode estar saudável ou ferida, depende de como elaboramos a infância. Por isso, é muito importante pensar nesse assunto e cuidar da nossa criança interior para que possamos ter um saudável desenvolvimento emocional e autoestima adequada.

Muita gente sofreu na infância, e isso formou feridas emocionais que foram abafadas e não solucionadas, mantendo essa criança interior machucada até hoje. Sabendo disso, é possível entrar nesse assunto para compreender o que aconteceu e curar esse passado.

Nossas reações negativas de hoje muito tem a ver com o que vivemos e elaboramos na infância com nossa maturidade da época. Uma criança não sabe lidar com a rejeição sem levar para o lado pessoal e se sentir inadequada, por isso se sentirá mal e se fechará. Já um adulto consegue pensar racionalmente na situação e não perderá a autoestima só por que recebeu uma critica.

As pessoas que têm a criança interior ferida lidarão com a rejeição de uma forma infantil, como lidaram na infância, e possivelmente não aceitarão criticas de uma forma racional, levarão para o lado emocional e terão uma reação inadequada, não conseguindo ter uma postura madura de quem recebe uma critica e vê a possibilidade de melhorar.

Existem exercícios que te ajudam a curar a sua criança interior.

1- Primeiro precisamos saber como ela está. Faça uma meditação ou simplesmente sente-se em um ambiente calmo onde não será incomodado. Feche seus olhos e respire profundamente algumas vezes. Lembre-se da sua infância, tente recordar da sua primeira lembrança, o mais criança possível, depois veja o passar dos anos, deixe sua mente livre para trazer lembranças aleatórias. Lembre-se do seu quarto, de todos os móveis, e agora pense em você adulto, entrando naquele quarto e encontrando você criança. Como seria essa conversa? Qual é a sensação? Você adulto hoje pode cuidar de você criança, explicar ocorridos e sentimentos. Esse exercício é terapêutico e tem ótimos resultados. Quanto mais tempo você passar nessa meditação e quanto mais vezes repetir, mais verá resultados na sua vida atual.

2- Faça perguntas para essa criança. Do que ela gosta, do que não gosta? Veja se você vive de acordo com as vontades dessa criança. Você criança se orgulharia de você adulto?

3- Lembre-se do que você gostava de brincar, como você passava seu tempo. Na sua infância pode ter a resposta do que você poderia trabalhar e no que se daria bem.

4- Não tenha vergonha de brincar, pular ou dançar. As crianças são livres e deveríamos ser também, isso é saudável, não se reprima. Tenho certeza de que se alguém te vir livre vai admirar sua coragem e sentirá vontade de fazer a mesma coisa.

5- Fale mais sozinho. As crianças falam com seus bichos de pelúcia e bonecos, elas dão vida a tudo. Experimente desabafar com um brinquedo. Converse também com a sua criança interior como se ela fosse uma pessoa ao seu lado, seja carinhoso e amoroso.

Nós não podemos apagar o que ocorreu no nosso passado ou fingir que não aconteceu, mas podemos dar um novo significado ao que aconteceu, compreendendo e olhando por outro ponto de vista.