Última semana do ano, todos os flertes foram viajar, possivelmente as miga tudo também e, como sempre, você está aí, de férias, há quatro dias com o mesmo pijama e comendo frango frito enquanto enquanto escuta “All by myself” da Céline Dion em um looping eterno, certo?

Então, você resolve empenhar seus últimos esforços para mudar a sua virada e vem até aqui ler este texto, porque a esperança é a última que morre. Amiga, acredite, nós vamos te ajudar. Antes de tudo, lembre-se que se desesperar e arrancar as calcinhas pela cabeça não vai adiantar de nada, logo, mude o plano. Faça o seguinte: limpe essa mão gordurosa de frango, pegue o mouse e acompanhe as dicas delicientas que preparamos para deixar o seu 2017 melhor ou, neste caso, menos pior.

Primeira dica: se entregue

Gente, às vezes apenas não rola mais dar jeito na desgraça. Sim, a grana pode acabar, as migas estão apavorando alguma praia sem graça do litoral, os boys apenas resolveram fingir que você não existe mais e a sua única opção é ficar em casa. Nestes casos específicos você pode agir de duas maneiras:

1) Ficar bêbado em casa e dormir logo depois que o porre fizer efeito — mais ou menos lá por 1 hora da manhã;

2) Apenas dormir antes da meia-noite e acordar em 2017 com aquela sensação de que tudo não passou de um pesadelo.

A escolha é sua!

Segunda dica: balada da virada

Sérião, não se engane! Balada da virada é sempre repescagem, ou seja, tudo que é de bom já foi embora, e apenas aquelas pessoas que você não curte estarão presentes. No entanto, sempre rolam umas promos com double de alguma bebida irmã da gasolina, que garantirá diversão e, quem sabe, ajudará os seus olhos a enxergarem a beleza interior dos outros.

Então, se você é daquelas pessoas corajosas, tome um Engov antes, um depois e se joga!

Bar do Simão

A casa jé nossa brother das antigas, e na virada abrirá as portas para te receber com a festa START.

O esquema é aquele que você já conhece: pista animada, killer drink para soltar o seu talento (?) e o fumódromo mais querido da cidade.

VU Bar

O porão mais intimista e descolado de Curitiba também não deixará o seu dia 31 passar em branco. No cardápio da casa você encontra o meu drink favorito: amareto com suco de limão e um cadim de sal, além do famoso Candy, que deixa a noite de todo mundo mais colorida.

Mais informações no post do coleguinha, Augusto, clicando aqui!

Terceira dica: organize a sua própria festa

Na minha humilde opinião, com certeza esta é a melhor alternativa. Primeiramente porque você será conhecida depois como aquela pessoa MARAVILHOSA que organizou uma festa bapho quando não existia mais salvação no mundo. Segundamente (?) porque com certeza terá público, afinal, você não é a única perdedora da cidade.

Faça assim: sonde todo mundo que ainda está na cidade e que toparia um retetê, faça um evento no FB e comece a recrutar as pessoas (agora não é hora de ser seletiva, vale TODO MUNDO, e todo mundo pode chamar quem quiser, porque só assim você terá a chance de um muso aparecer do nada e te fazer feliz nos 45 do segundo tempo, ok?)

Sobre o local, sério, vale qualquer coisa. Uma garagem, um quintal, um apartamento, um salão de festas, sei lá, qualquer cantinho. Acredite, ninguém está criterioso nesta época, o desespero não permite.

Agora mande todo mundo trazer bebidas (jantem antes com as respectivas famílias para não ter aquele rolê preguiça de “cada pessoa leva um pratozzzzzzzzzz”), vista a sua melhor lingerie — nem que seja só para subir na mesa e ficar nua se exibindo sozinha —, faça a contagem regressiva e acorde com uma ressaca triste de se ver em 2017, mas que com certeza renderá muitas histórias para contar. Nos vemos na sarjeta, beijas.