Se tem uma coisa que me deixa passado (é gritar comigo sem eu ter feito nada? sdds Kelly Key) é a prática quase que inerente que a galera tem de considerar genial tudo o que é produzido fora, seja fora do seu estado, da sua cidade ou do seu país. É quase a mesma irritação, só que um pouco pior, que tenho com quem quer conhecer o mundo inteiro, mas nem se importa em saber o que acontece na própria quadra em que reside.

Eu já conversei aqui com vocês sobre como existe um universo de possibilidades no trajeto da nossa casa até o trabalho e também mostrei como Curitiba produz muito conteúdo artístico acessível para toda a população, como o que acontece há três anos no Tijucão Cultural.

Inclusive, foi a partir do Tijucão que pensei em produzir este texto apresentando a você gente como a gente, que está aqui do nosso ladinho produzindo muito, e que precisamos valorizar. Afinal, se você ainda acha que santo de casa não faz milagres, queridinha, você está rezando errado (?).

Então, separei produções para todos os gostos. Saca só:

Lá no Tijucão Cultural rolaram trabalhos incríveis, o que inclui performances e intervenções de diferentes tipos. Eu acompanhei de pertinho a performance “Sobre Luz e Sombra”, vivenciada por duas atrizes aqui da capital e que estão sempre em cartaz com peças maneiríssimas, como esta aqui, para a qual fui convidado e vou com certeza. Bora?

Na ocasião, a performance movimentou o 4º andar do Tijucão e lotou os corredores. Tivemos acesso a um vídeo que registrou tudinho, e é claro que queremos compartilhar com vocês:

“Sobre Luz e Sombra”: Andreia Porto, Sissa Stecanella e Henrique Helstrom.

Captura de imagens e edição: Sérgio J.

Gente que faz à mão

Outro ponto bastante relevante e que sempre devemos levantar é o “feito à mão”. Em tempos de produção em série e consumo bem louco, contar com peças lindas carinhosamente feitas à mão é raridade, mas a gente encontrou quem faça por aqui, aliás, quem faça coisas lindas por aqui, capazes de deixar a sua casa maravilhosa ou até mesmo servir de presente para o seu miguxo secreto neste fim de ano. Tem roupa, tem sapato, tem objetos de decoração, tem tudo!

O Ateliê Nat Petry, por exemplo, mostra para as vovós que o tricô e o crochê ainda estão em alta, mas repaginados e com referências superatuais, que são produzidas, inclusive, com materiais sustentáveis, como estes crochepôs fofuras que são feitos com um fio que é de sobras de malhas. Xonei <3.

atelie-nat-petry-curitiba-cult

Crochepô para plantinhas.

E O QUE DIZER DESTA PEÇA?

atelie-nat-petry-curitiba-cult-1

Sério, isso é um Catiglu. Um CA-TI-GLU <3

No Tijucão também encontramos sapatos maravilhosos da marca curitibana Oficina da Gasp. Todos são únicos e costurados minuciosamente por mãos hábeis. É moda de altíssimo bom gosto e de muita sensibilidade.

sapato-oficina-gasp-feito-a-mao

Só eu que já me vejo desfilando com este sapato muso?

Não pendure as chuteiras, pendure obras de arte (?)

Ainda no Tijucão, tivemos acesso a ilustrações lindas de diferentes artistas que, obviamente, aplicam técnicas singulares na hora de produzir. Em um dos andares do prédio, dentro de um salão de beleza, nos deparamos com os desenhos do Marcelo Fiedler, tudo pensado com muita cor para encantar os olhos.

ilustracoes-marcelo-fiedler-tijucao-culturitiba-cult

Ilustrações de Marcelo Fiedler em uma das janelas do Edifício Tijucas.

Mais acima, nos andares superiores, conhecemos a produção do ilustrador Amorim. Passeando entre manipulações digitais, colagens e pinturas, o artista apresenta conceitos fortes e esteticamente instigantes em suas telas, que estão disponíveis à venda na page dele no Facebook. Separei alguns exemplos que me encantaram só para deixar você curioso.

amorim-ilustracao-curitiba-cult

Velha Infância: colagem manual + colagem digital.

amorim-ilustracao-curitiba-cult-1

Silêncio: colagem manual.

Tá tendo retrato

Fotografia? Aham, temos por aqui! Conversei com o fotógrafo Bruno Claro e conheci um pouquinho do trabalho dele ao vivo, mas, tendo em vista que sou curioso como o capeta (senhor capeta, entenda que esta frase foi apenas um recurso de linguagem bobo, ok?), “dei um Google” para bizoiar o que mais o nosso companheiro de cidade tem clicado e, olha, aqui do alto do meu conhecimento sobre fotografia (pff), gostei do que vi.

bruno-claro-curitiba-cult

Um pouco do olhar fotográfico de Bruno Claro em uma das fotos disponíveis em seu tumblr.

bruno-claro-curitiba-cult-1

Serei clichê se dizer que a beleza está nos olhos de quem vê? Sim, mas e daí, né? Mais uma do Bruno.

Valorizar a produção artística local é um dos objetivos do Curitiba Cult, e outro muito importante é compartilhar com você estas informações preciosas e relevantes (talvez por isso você esteja lendo este texto). Mostramos o que é que Curitiba tem e afirmamos: você faz parte de tudo isso, pode se orgulhar. =)