O Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba, assim como tantos outros projetos, precisou ser adaptado e acontecerá de maneira online neste ano. Entre os dias 7 a 15 de outubro, a mostra “Novos Olhares“, que é dedicada a longas-metragens com propostas estéticas mais arriscadas e radicais, ganhou nesta edição uma atenção especial, resgatando o passado, a força do cinema e a possibilidade de acesso, memória e cura neste ramo. Ao todo serão seis títulos inéditos no país.

No dia 7 de outubro, o filme escolhido para abrir a 9ª edição do Olhar de Cinema é o longa brasileiro “Para Onde Voam as Feiticeiras“, de Eliane Caffé, Carla Caffé e Beto Amaral. A produção brasileira une encenações e improvisos de sete artistas de rua de São Paulo, expondo a permanência de antigos preconceitos de gênero e raça. O filme foi selecionado para o Cinelatino Rencontres de Toulouse, mas não chegou a ser exibido por causa da pandemia de Covid-19.

Imagem: Divulgação do filme “Para Onde Voam as Feiticeiras”

Os seis filmes inéditos selecionados são: Letra Maiúscula, documentário do romeno Radu Jude; O que resta / Revisitado, de Clarisse Thieme; Ano do Descobrimento, dirigida por Luis López Carrasco; Pajeú, longa-metragem do brasileiro Pedro Diógenes; documentário Agora, de Dea Ferraz e Los conductos, de Camilo Restrepo.

Nesta edição deste ano, serão seis mostras ao total: Mostra Competitiva, Outros Olhares, Olhares Brasil, Exibições Especiais, Mirada Paranaense e a Novos Olhares. O Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba busca destacar e celebrar o cinema independente produzido no mundo.

Para ter acesso a todos os filmes, programação e entender como funciona o Festival, acesse o site oficial do Olhar de Cinema.