Antes de tudo, preciso que vocês saibam: sim, eu sou o Grinch, não suporto o Natal, assumo e sou feliz. E não adianta vir com culpa cristã pra cima de mim que não vai colar, tendo em vista que me reservo o maravilhoso direito de não gostar de alguma data comemorativa, seja ela qual for.

De qualquer maneira, fiquem tranquilos, eu posso não gostar do Natal, mas, como diriam aquelas pessoas cheias de preconceitos: tenho até amigos que gostam. Entretanto, pensando em você, caro leitor, que talvez também não simpatize muito com esta tão, digamos, peculiar data, é que preparei este texto supimpa. Acredite, ele te ajudará!

Então, bora:

Fones do bem

Sim, as lojas começarão a tocar hits natalinos, seja lá qual for o segmento delas. Vai ter Jingle FUCKIN Bells? Vai! Trilha sonora do filme Esqueceram de Mim? Também! Então, fique atento! Se você vai entrar em algum estabelecimento comercial nos próximos dias, leve os seus fones de ouvido, assim você pode fugir do tal espírito natalino e se esconder na atmosfera que o ritmo de sua preferência sempre invoca quando você o escuta.

Amigo secreto (AHAM, SEI, MUITO AMIGO)

Uma das piores tradições natalinas de todos os tempos com certeza é o tal amigo secreto. Genteee, quem em sã consciência quer ganhar um presente de um colega de trabalho que você sequer sabe o nome? Ou pior: quem quer comprar um presente para um colega de trabalho que sequer sabe o nome? E pegar o chefe? Existe tristeza maior? Não adianta, amigo secreto é sempre assim: você dá um iPhone 6 e ganha um conjunto de canetinhas coloridas 12 cores.

Minha dica para fugir desta furada é mentir. Parece feio? Parece, mas e daí? Diga que viajará exatamente na noite do amigo secreto ou diga que uma amiga alternativa qualquer está apresentando uma performance artística em algum espaço colaborativo da cidade e que você precisa ir porque vocês são muito amigos desde o útero da mãe de vocês, mas não se esqueça de explicar que vocês estavam em úteros separados, cada qual com a sua mãe, caso contrário acharão que você tem uma irmã, o que não é problema se a desculpa colar, mas será se você não tiver uma irmã.

Decoração natalina

NÃO EXISTE NADA MAIS CAFONA NO MUNDO. Se você também não gosta nada de árvores, guirlandas, duendes, renas e bonecos de neve, venha cá, eu te ajudo. Compre algo decorativo lindo, do seu gosto, que nada tenha a ver com o Natal, sério, não tem problema. Pode ser um vaso chinês, um quadro, uma toalha de mesa ou qualquer outro item.

Comprou? Agora digite no Google: lista com nome de todos os países do mundo. Pronto, encontre um bem desconhecido, lá do cabrobró do Judas, e diga que durante o seu intercâmbio (não fez intercâmbio? relaxa!) você aprendeu que no Natal deste país (INVENTE QUALQUER LENDA AQUI) eles têm a tradição de decorar a casa com o item maravilhoso que você comprou. Sério, gente, é tiro e queda! E você ainda poderá se pagar de viajado.

Ceia em família

Se você não conseguir morrer antes da data (certeza que isso já passou pela sua cabeça), sério, você terá de enfrentar o fatídico jantar com os familiares. Sim, o primo insuportável estará lá. Aham, você será obrigado a fingir que esqueceu que no Natal passado a tia de terceiro grau da sua avó saiu no tapa com a namorada do seu sobrinho. Sim, gente, é hora do show das hipocrianes.

Minha dica de sobrevivência para este momento é: encha a cara. Estoure as espumantes todas, abra os vinhos, os conhaques, fique loucaço! Ligue o som, chame as tias para dançar e se divirta por você só, porque garanto que contar com a ajuda alheia neste evento será difícil. Ou você ainda pode convidar um amigo solitário para te fazer companhia, assim vocês podem se embebedar juntos e curtir a noite um na companhia do outro.

Almoço do dia 25

Aqui é fácil: você encheu a cara no jantar do dia anterior (isso se você seguiu a dica acima, espero que sim), ou seja, não tem força alguma para vencer a ressaca e comparecer ao almoço, o que certamente você dirá por telefone aos seus familiares que é uma lástima, mas que na verdade será a maior felicidade da sua vida. Neste caso, escolha a sua série favorita do Netflix, fique deitadinho na cama, hidrate-se e, claro, seja feliz!

Se você gostou deste texto e vai mesmo usar as minhas dicas, sério, procure tratamento, porque você não deve estar no total controle de suas faculdades mentais. Mas, se você odiou, sério, procure tratamento também, porque possivelmente você também não está 100%, ok? Nos vemos na ceia (mentira, não conte comigo!).

P.S.: as opiniões sobre o Natal expostas neste texto são de total responsabilidade do colunista que vos fala.