Uma coisa é certa: não vivemos bons tempos quando se trata da qualidade das produções voltadas ao terror. A quantia de lançamentos não é das maiores e o nível é cada vez pior, porém sempre há as exceções. E o que temos aqui vai muito além de ser uma mera exceção, é um dos melhores exemplares no gênero. Estreando nesta quinta (7), It: A Coisa é brilhante ao inserir terror de qualidade em um plano dramático.

It: A Coisa é uma adaptação do livro homônimo escrito pelo mestre Stephen King lá em 1986. O título já ganhou uma versão em longa-metragem, direto para a televisão. Chegou aqui com o nome de ‘It – Uma Obra Prima do Medo’, em 1990. Tanto a versão literária quanto o telefilme são considerados clássicos do gênero terror, e agora recebem a companhia de mais um clássico.

A trama se passa na cidade de Derry, local marcado pelo desaparecimento de crianças a cada 27 anos. Após seu irmão sumir, Bill reúne os amigos para ir atrás desta criatura que assombra o lugar há anos. O garoto é interpretado por Jaeden Lieberther, enquanto Bill Skarsgård é o aterrorizante palhaço Pennywise.

O diretor é Andrés Muschietti, responsável por ‘Mama’, tendo no roteiro o auxílio de Gary Dauberman, mente por trás dos spin-offs de ‘Invocação do Mal’. O trabalho deles é grandioso em vários sentidos, sabendo administrar cada partícula que culmina em uma grande obra. Uma das maiores falhas nos terrores é a falta de uma história no mínimo decente, estando sempre ‘enchendo linguiça’. Em It é o oposto, existe um roteiro excelente dando base para todos os acontecimentos. O qual nos prende, faz sentir/querer enfrentar os medos e torcer pelo grupo de crianças, assim como temer a figura do palhaço.

Não há nada para ser escondido aqui, tudo está exposto e representado sem deixar espaço para imaginação. O drama é bom e muito bem intercalado com cenas sinistras e que aterrorizam o nosso psicológico. Muitas piadinhas aparecem em meio da aventura e causam certa sensação de alívio, que não dura muito até o amedrontador palhaço aparecer para mexer novamente com nossa cabeça. Existe toda uma simbologia metafórica em Pennywise, que nada mais é do que o acumulo de todos os temores que temos quando criança; na maioria das vezes representados nos adultos.

Com um antagonista caprichosamente assustador, trama tensa e uma trilha sonora arrepiante, It: A Coisa não tinha como dar errado. É apavorante e te puxa para o centro de todas as ações, como se Pennywise nos rondasse também. Certas cenas chegam a ter um tom bizarro, causando um grande desconforto no espectador e isso é magnífico. Difícil puxar um filme que lide tão bem com tantos caminhos e os conclua com êxito, ‘flutuando’ muito bem em todas as passagens. Inegavelmente, It é uma obra prima em todos os sentidos e nos anseia desde já pela Parte II.

Nota: 9,5

Trailer – It: A Coisa