Parece ontem que chegava aos cinemas um grupo desconhecido e que se auto intitulava Guardiões da Galáxia, não demorou para conquistar multidões e cá estamos três anos depois recebendo a tão aguardada continuação.  Agora em perfeita sintonia, questões familiares começam a dar as caras e novas ameaças intergalácticas surgem para botar em prova nossos heróis.

A aventura continua do ponto em que o primeiro filme termina e vemos Peter Quill/Senhor das Estrelas (Chris Pratt), Gamora (Zoe Saldana), Drax (Dave Bautista), Rocket Raccoon (voz de Bradley Cooper) e Baby Groot (voz de Vin Diesel) aceitando missões em troca de recompensas. Porém, logo os Guardiões da Galáxia se vêem num embate contra os seres dourados Soberanos e no encontro inesperado de Peter com seu pai Ego (Kurt Russell).

Existem algumas novidades no filme, iniciando pelo Baby Groot. Sinceramente é a coisa mais fofa já feita na sétima arte, mesmo sendo um segundo plano na trama, consegue encantar em todas as cenas. Ele é um dos maiores acertos da Marvel em vários sentidos, principalmente pelo marketing e vendas. Já as caras novas que agora “integram” os Guardiões são Nebula (Karen Gillan) e Yondu (Michael Rooker).

Guardiões da Galáxia é o filme com menor pegada Marvel no sentido do Universo Cinematográfico criado para os super-heróis. Não só por se passar no espaço, mas por em nenhum momento se privar em ficar conectando tudo aos Vingadores e isso é maravilhoso. O diretor e roteirista James Gunn tem liberdade total para fazer o que quiser, e que trabalho maravilhoso ele fez aqui.

Tudo é muito lindo e bem feito, desde os efeitos visuais até o modo sentimental que a trama encaminha. E que espetáculo são os efeitos, acompanhados de um belíssimo trabalho em 3D que aprofunda e dá uma sensação de imersão nas batalhas, além de toda a maquiagem alienígena nos personagens. Fora o CGI que recria um Kurt Russell jovem com uma perfeição que chega a assustar. Todas as interações visuais se encaixam bem, Guardiões da Galáxia Vol. 2 é um dos melhores trabalhos já feitos no gênero.

E não é só de relações sentimentais envolvendo família que o filme se faz, é facilmente o longa mais divertido da Marvel e quiçá dos últimos anos no cinema em geral. Destaque para Drax, tanto nas interações com o grupo quanto com a outra nova participante Mantis (Pom Klementieff), apresentando um timing excelente nas piadas e tiradas que beiram a vergonha alheia. Guardiões da Galáxia Vol. 2 tem humor pra adulto, cena escrachada, trocadilhos, zoação, Baby Groot e muito mais. Difícil lembrar uma produção que divirta tanto em variadas formas, exemplo puro de entretenimento.

Se for para ficar comentando tudo de bom que existe em Guardiões da Galáxia Vol. 2 é possível fazer um livro. São muitas referências à cultura pop, e quando ler muitas pense em muitas mesmo. O longa é absurdamente colorido e lindo visualmente. Aquela trilha sonora impecável dá as caras novamente, totalmente sincronizada com os acontecimentos. Fascinante as batalhas, inúmeras naves, explosões, brigas, monstros e por aí vai. O Universo galáctico da Marvel aparece em peso aqui e encaminha muitas possibilidades para o futuro (Sylvester Stallone está presente), além do número incrível de cinco cenas pós-créditos.

Você sai do cinema extasiado e querendo muito mais, e não tem como não querer. Guardiões da Galáxia Vol. 2 é muito mais do que um filme da Marvel, um filme de heróis, ou uma aventura galáctica entupida de efeitos. É um filme que engloba tudo e é exatamente o que faz a sétima arte tão maravilhosa. Você quer fazer parte daquilo ali. Você se emociona, se diverte e torce para não acabar. Que mais exemplares assim surjam recorrentemente, por mais Baby Groot, Drax e companhia nas nossas vidas.

Trailer – Guardiões da Galáxia Vol. 2