O espetáculo fala de um sentimento conhecido por todos, mas difícil de entende: o amor. Neste sábado e domingo, dias 02 e 03 de novembro, a Ópera de Arame será palco do musical “Isso Que é Amor”, que foi escrito todo em cima das músicas do Luan Santana. Os ingressos estão à venda a partir de R$ 25. Leitores do Curitiba Cult têm 50% de desconto via Clube dos Mimos.

O musical não é sobre a vida de Luan Santana e muito menos com o Luan. Ele foi só o estopim principal que, em 10 anos de carreira, lançou inúmeras canções sobre amor. Nós conversamos com produtor Gustavo Nunes, o idealizador do projeto, e com o ator Daniel Haidar, protagonista da história.

Gustavo nos conta que a ideia de usar o Luan como foco, foi além de suas composições. “Sempre precisamos achar algum estopim ou motivo e nosso problema era: como atrair um público jovem ao teatro? A resposta estava nos shows lotados do Luan, que hoje é um dos nossos maiores astros nacionais”, explica Nunes.

O espetáculo conta a história de Gabriel Lucas, jovem e romântico popstar que sonha encontrar o amor, que inspire suas criações e sua vida. O personagem principal vive à procura de inspiração e é atormentado, em seus sonhos, pela visão de uma figura feminina, uma musa. Em turnê por uma cidade do interior, finalmente tem a possibilidade de realizar sua fantasia, mas para tanto vai enfrentar uma série de conflitos que recheiam a trama.

Daniel chegou a visitar shows do Luan e acompanhar bastidores de algumas apresentações por aí, mas revela que não usou o “Luan astro” para saber desenhar uma pessoa famosa. “Com o Gustavo eu quis mostrar o bastidor de um astro da música, quis mostrar os sentimentos, as dores, acredito que é um dos grandes diferenciais”, conta o ator.

Em tempos difíceis para a cultura nacional – principalmente para os musicais, “Isso Que é Amor” viaja com mais de 40 pessoas pelo Brasil a fora. Gustavo não deixa de agradecer investidores que acreditam e muito no trabalho e na cultura nacional, “se estamos podendo fazer tudo isso hoje é porque muitas pessoas ainda não desistiram”.