O último ano de Dilsinho foi perfeito. O cantor ganhou certificado de diamante com seu primeiro DVD, suas músicas estiveram entre as 10 mais tocadas do ano em todos os aplicativos de música e seu canal do YouTube passou de um bilhão de views… o ano de 2019 foi certamente incrível e Dilsinho fechou com chave de ouro, com a gravação do seu novo DVD “Open House“, no Recife.

Cumprindo desde o começo de março deste ano o cronograma de lançamentos do projeto, chegou a hora do artista revelar o audiovisual na íntegra para o público. Open House chega por completo em todas as plataformas digitais e no canal oficial do cantor no Youtube. Incluindo o novo single “Misturados”.

O Curitiba Cult conversou com exclusividade com o cantor e o resultado você confere agora.

– Dilsinho, você abriu “sua casa” para o público, podemos dizer que esse é um dos seus trabalhos mais pessoais?

Com certeza esse é o meu ‘filho’ mais querido até agora. Cuidei dele desde a concepção da ideia até a edição final do DVD. Quis ficar por dentro de tudo, escolhi cada detalhe, figurino, cada arranjo junto da minha equipe. Opinei em tudo, literalmente. Sempre fui muito grato por tudo que vive e experimentei na minha carreira, fui muito bem recebido em todos os lugares por onde passei, e no Open House encontrei e a minha maneira de poder ‘abrir as portas da minha casa’ e receber todo mundo. Esse projeto tem muito de mim e fala muito da pessoa que eu sou. Ele é realmente especial pra mim.

– Quando você gravou o projeto ninguém imaginaria que estaríamos vivendo tudo isso. De uma forma ou outra, você convida o público para sua casa, sua sala, seu quarto. Podemos dizer que sem querer, o Open House, pode trazer a sensação de proximidade com seus fãs?

Isso era exatamente o que eu queria, fazer com que todo mundo se sentisse em casa, mesmo. Como disse, eu abri as portas da minha casa para receber o público no dia 19 de dezembro, em Recife gravando meu DVD. E dentre meus planos de 2020, um deles era levar a turnê Open House por todo o Brasil, para que o maior número de pessoas pudesse ter a experiência e curtir comigo um pouquinho desse projeto. Infelizmente os planos mudaram, mas, o quanto antes, esperamos rodar o país e levar essa experiência para o país todo.

– Este é o primeiro projeto que você esteve 100% presente em tudo. Quais diferenças e dificuldades você sentiu em gravar este DVD e o “Terra do Nunca”?

O maior desafio eu acho que é a cobrança que eu mesmo tenho sobre mim, sabe? Vim de um ano de 2019 muito intenso, que rendeu muitos frutos na minha carreira, na minha vida. Tive a oportunidade de ter um DVD que ficou entre os 5 mais ouvidos de 2019 (Terra do Nunca), ganhei o Prêmio Multishow de Melhor Cantor, estive no Melhores do Ano do Faustão e no Caldeirão de Ouro, do Luciano Huck. Então, a responsabilidade de fazer um novo projeto era muito grande. Em 2019 eu amadureci muito e me senti seguro pra tentar uma coisa nova, que era ficar à frente do musical, opinar um pouco mais sobre toda essa criação do projeto. Então, fiquei muito feliz com o resultado, mais feliz ainda das pessoas estarem ouvindo e só receber elogios, mensagens positivas, ver todos esses números acontecendo (cantor mais ouvido do Spotify, mais de 2 bilhões de views no YT). Tá sendo um presente na minha vida ter um projeto onde cada detalhe foi pensado e executado da maneira como foi projetado. Veio de dentro pra fora sabe? Isso é muito lindo.

– Como no primeiro trabalho, as participações são pontos importantes. Como chegou aos nomes dos convidados do Open House?

Nesse projeto, tive a oportunidade de trazer nomes de peso, ídolos no Brasil inteiro, pra cantar comigo. Eu sou fã do Thiaguinho desde que comecei a cantar pagode e foi emocionante para mim ter o astral dele dividindo uma música pela primeira vez. A dupla Henrique e Juliano tem uma maneira de falar de amor que eu me identifico muito e achamos uma música que, tanto eu quanto eles, nos identificamos demais, o público está curtindo muito nos ver juntos. E os caras do Atitude 67 sem palavras, só admiração por eles e pelo trabalho lindo que tem feito. O Marco é um grande parceiro, ele que compôs a ‘Onze e Pouquinho’ e está aqui comigo para somar.

– Você já vem trabalhando na divulgação do DVD desde março, quais as ideias a partir de agora, com o projeto completo disponível?

Sim, no dia 06 de março demos início ao lançamento desse projeto com a primeira música e a intenção era lançar mais uma a cada semana. Depois da pandemia, esse lançamento semanal acabou sendo um momento de conforto pros meus fãs, pra pessoas que não estariam mais nos meus shows, tendo aquela conexão diária comigo. Então acho que foi ótimo assim. Mesmo não podendo rodar o Brasil inteiro com meus shows e estar próximo do meu público, acredito que esse projeto saindo toda semana, acabou suprindo um pouco essa ausência física e a falta de abraços e amor que sempre recebo dos meus fãs e pessoas que curtem meu trabalho. Fiz algumas lives nesse período também, que foram super legais, e agora temos mais alguns projetos em mente que vocês saberão em breve!

– Quando o mundo melhorar, podemos esperar Open House pelo Brasil todo, incluindo em Curitiba?

Vocês podem ter certeza disso. Curitiba é uma cidade que sempre me recepciona de braços abertos. Tenho um carinho muito grande pelo público curitibano, tento retribuir um pouco do que me entregam sempre que estou por aí e espero que eu consiga rs Mas podem me esperar por ai sim que, assim que os shows voltarem, estarei na área com a turnê Open House