Hiper cultuado lá nos EUA, Corra! enfim chega em solo brasileiro nesta quinta, 18. A produção de baixo orçamento narra o primeiro encontro de Chris, um rapaz negro, com os pais de sua namorada caucasiana. Tudo se passa na casa dos sogros, um lugar muito esquisito e revelador.

Mais uma vez as produtoras resolvem lançar um filme do gênero terror/suspense meses após o lançamento oficial, causando total desvalorização ao produto. Get Out (título original) saiu em fevereiro nos Estados Unidos, conquistando aprovação máxima da crítica e arrecadando mais de 200 milhões para um orçamento mísero de 4 milhões. Independente desta problemática recorrente e descaso com produções como esta, Corra! chegou.

A temática envolve, obviamente, o racismo e é interessante o modo como Jordan Peele (diretor e roteirista) encaminha toda essa questão racial. Mostrando as situações de preconceito nas situações mais rotineiras do dia-a-dia. Corra! é muito bem dosado em suas intenções, não forçando nem na obscuridade da trama e muito menos no gênero da obra (a tal questão racial também é tratada com cuidado, passando longe de uma aula didática sobre o tema).

Tal produção começou a se formar em cima de um stand-up de Eddie Murphy, onde contava a angústia da primeira visita aos sogros, e Peele estava lá vendo. A temática de Corra! também se baseia no clássico ‘Adivinhe Quem Vem Para Jantar’ que levou Oscar de roteiro original em 1968. Numa fusão maluca disso tudo e com a inserção do desdobrar tenso ao estilo thriler, Jordan Peele conseguiu criar uma película exemplar.

O personagem principal é vivido por Daniel Kaluuya, que retrata com exatidão a sensação de estranheza e desconforto que Chris passa a presenciar. Os outros atores também se encaixam bem na loucura que a trama começa a encaminhar, menção especial para aquele que dá o contrapeso humorístico: Lil Hel Howey, amigo do protagonista.

É um filme que passa rápido em cena, esclarece tudo o que é mostrado e apesar da insanidade do desenrolar consegue metaforizar um assunto de extrema importância como o racismo. Não existem sustos forçados, plots twists para te confundir e muito menos falhas no roteiro. Corra! é um tanto quanto exagerado no seu desfecho, podendo causar certa estranheza, porém é nessa inovação que se sustenta e entrega uma obra digna da boa repercussão.

Corra! foge do que poderia ser um terror apelativo e fica num suspense com pitadas de humor, bem cabível para a temática alucinada da trama. Por sinal é um excelente suspense, com uma abordagem pra lá de necessária e que certamente surpreenderá muito ao público.

Nota: 8,5

Trailer – Corra!