Chega aos cinemas nacionais nesta quinta, 9, o terror Alien: Covenant. A obra é o oitavo filme da franquia, que já contou com a quadrilogia original (1979 – 1997), spin-offs (vs Predador 1 e 2) e ao prólogo ‘Prometheus’ (lançado há cinco anos).

A história de Alien: Covenant se passa depois de ‘Prometheus’ e antes de ‘O Oitavo Passageiro’, mas não é necessariamente bem conectada aos dois filmes. Conhecemos a tripulação da nave espacial Covenant em uma jornada rumo à um novo planeta, que será colonizado pelos humanos. Porém, um problema no meio do caminho coloca a vida de todos em risco.

Alien: Covenant sofre com graves erros estruturais, tanto em roteiro quanto em encaixe na franquia. É difícil entender como tudo chegou ao ponto que vemos ali e muito menos captar como que os personagens tomam atitudes tão errôneas. É a típica produção que você analisa as cenas acontecendo e pensa que tem algo bem errado ali. Toda situação trágica é recorrente de alguma solução totalmente forçada.

Apesar de contar com o diretor original Ridley Scott e nomes como Michael Fassbender (atuação dupla com dois andróides distintos) no elenco, nada funciona corretamente. Toda a trama voltada aos personagens é mal explorada, com muitos plots secundários e nenhum aprofundamento. Sem condições de simpatizar pela protagonista Daniels, vivida insossamente por Katherine Waterson. Mais mal explorado ainda é a figura do Alien (até mesmo graficamente), em um ponto não conseguimos compreender o que é que está acontecendo em cena com o tal “vilão”.

Quando ‘Prometheus’ foi lançado acabou criticado de forma pesada por supostamente querer revigorar a franquia, mas ficar abordando temas de origens que não pareciam conectar com tudo. Alien: Covenant chega para embolar ainda mais toda a história dos Aliens na sétima arte (como se a quadrilogia já não fosse suficientemente confusa).

Alien: Covenant não emplaca e dá a nítida sensação de que muita coisa está faltando e muito pior é que não consegue se encaixar em nada. Para os que já acompanham a saga é impossível de ligar todos os pontos, e muito menos solucionar tantos questionamentos deixados no ar. Sinceramente, parece que o próprio Scott está tão confuso e sem saber o que fazer com o Alien que decidiu confundir todo mundo (conseguiu).

Longe de se comparar o filme com o clássico de 79 e sua sequência de 86. Alien: Covenant é uma opção válida de entretenimento apenas por envolver espaço, monstros (Alien, um ícone do cinema) e ação. Entretanto falha ao criar mais problemas do que acertos, falha muito mais por não respeitar a força que o nome Alien tem na cultura pop em geral.

Nota: 3,0

Trailer – Alien: Covenant