Há 13 bilhões de anos uma bola de fogo de tamanho infinitesimal explodiu. Essa grande explosão, o Big Bang, gerou uma expansão mais rápida que a velocidade da luz. E assim surgia toda a matéria, energia, espaço e tempo. A origem do universo. Uma coisa curiosa sobre o Big Bang é a percepção de que tudo está intimamente ligado. Quer dizer, todas as pessoas que você ama, que você conhece, todos os seres vivos que já habitaram a Terra. Ainda mais, toda construção, mineral, metal, gás. Todo cometa, lua, planeta. Toda costelação, toda galáxia. Tudo, em algum momento remoto, foi a mesma coisa. Tudo é poeira das estrelas que surgiram daquele ponto de energia. Tudo foi feito pelo sol.

Bilhões de anos depois, esse misterioso e organizado caos fascina os seres humanos. Nós, que vivemos nos mais recentes segundos dessa incrível jornada cósmica, olhamos para o céu desde o início da nossa existência. Dos egípcios aos incas. Dos índios aos navegadores. Do Carl Sagan aos Mutantes. Afinal, como disse o Sérgio Dias, ‘Tudo Foi Feito Pelo Sol’.

Em 1974, Os Mutantes eram uma banda bem diferente daquela que surgira em 1966. É possível separar esta história por fases. Inicialmente, a Rita Lee, o Sérgio Dias e o Arnaldo Baptista formaram um trio absolutamente genial e presentearam o mundo com os seus dois primeiros discos. Após a entrada do Liminha e do Dinho Leme é possível notar uma diferença na sonoridade. Os discos ‘Ando Meio Desligado’ (1970), ‘Jardim Elétrico’ (1971) e ‘País dos Baurets’ (1972) trazem mais rock e ainda mais psicodelia. Em 1973, já sem a Rita, o disco ‘O A e o Z’ mostra a banda no auge do rock progressivo e das suas experimentações psicodélicas.

O ‘O A e o Z’ foi o último disco d’Os Mutantes com a participação do Arnaldo. O Liminha e o Dinho também deixariam a banda. Assim, das formações originais, só restava o Sérgio. Ele, que seria o único membro a manter relação com a banda até hoje, não desistiu naquele momento. Agora, Os Mutantes eram Túlio Mourão com suas teclas e sintetizadores, Antônio Pedro com seu baixo e Rui Motta com sua bateria.

Cercado de excelentes músicos, Sérgio Dias, um genuíno guitar-hero, continuou explorando as influências do rock progressivo, mas agora se descolando da pegada Yes do disco anterior. O ‘Tudo Foi Feito Pelo Sol’ não foi tão revolucionário quantos os clássicos da discografia d’Os Mutantes. Mas isso, de forma alguma, é um demérito. Músicas audaciosas, extensas e elaboradas, com instrumentais bem construídos, precisos e harmoniosos. Conta-se que, no estúdio, o disco foi gravado de uma vez só. Sérgio Dias, em grande forma, transforma esse rock progressivo numa música atraente para muitos amantes da psicodelia setentista através de sua voz, guitarra e letras que preservam a espiritualidade presente no álbum.

O disco começa em alto ritmo e envolvente. A bateria de Rui Motta puxa o riff que, após alguns instantes, já tem todos os instrumentos conversando. Já em ‘Deixa Entrar Um Pouco d’Água no Quintal‘ é possível notar o cuidado com que os arranjos foram feitos. As variações de dinâmica, progredindo em diferentes partes da música, aliada aos timbres bem colocados, ajudam a criar diferentes climas numa mesma música. ‘Pitágoras‘, composição do Túlio Mourão, também é um exemplo disso. O piano hipnótico repete-se ao passo que cresce em certos momentos. Enquanto isso, Sérgio Dias mostra sua capacidade de fazer viajar com seus solos. Sutilmente, a bateria começa a rufar, roubando o lugar da guitarra. O baixo, forte e preciso, aparece cavalgando e, de repente, temos a companiha de um sintetizador. O ápice resulta com todos instrumentos sendo acompanhandos pela bateria. A música segue com variações e surpresas.

https://www.youtube.com/watch?v=6MEkKoaUzHU

E, depois dessa viagem, o transe de ‘Desanuviar‘. Uma balada sombria e piscodélica, com um gosto de Pink Floyd, explosões e sitaras. ‘Eu Só Penso Em Te Ajudar’ trás mais do rock n’ roll. A guitarra distorcida e o piano dão o tom para a bateria e o baixo marcaram o tempo com precisão. Essa é pra tocar moog e dançar boogie boogie. ‘Cidadão da Terra‘ começa com o seu riff quebradeira, anunciamento a pancada que está por vir. As viradas de Rui Motta, que rompe a métrica dos versos, dão ritmo para a ótima letra dessa pedrada. Essa música, assim como ‘Deixa Entrar Um Pouco d’Água no Quintal’, ‘Desanuviar’ e ‘Eu Só Penso Em Te Ajudar’ também são assinadas pelo Liminha. Em ‘O Contrário de Nada é Nada‘ aquela pegada rock n’ roll feita pra dançar ao solo do piano e das guitarras. E, fechando o disco, a faixa que da nome a obra. ‘Tudo Foi Feito Pelo Sol’ começa gentilmente e fala sobre o amor, esperança e, claro, sobre o sol.

Mesmo não sendo um dos disco mais lembrados d’Os Mutantes – até por causa da sua formação bem diferente – esse disco marca a fase de maior sucesso comercial da banda. E este é um dos nossos grandes discos de rock. Excelentes músicos, em grande forma e em sintonia, explorando sua habilidades artísticas e criando um som sempre surpreendente sem soar excessivamente técnico. Um discão.

Por essas e outras que sempre é bom escutar Mutantes. Porque se tudo foi feito pelo sol, de certa forma, somos todos uma pessoa só.

  • Tudo Foi Feito Pelo Sol – 1974 – disco completo

  • NÃO É MAIS DIA 36
    • Pílula musical para mudar de vibe
      • The Chordettes – Mr. Sandman

https://www.youtube.com/watch?v=oNuX7bs2qAM