Eu tinha um amigo indiano. Não amigo desses de encontrar no shopping. Era amigo de Orkut. Sabe-se Deus em que contexto acabamos adicionando um ao outro e eu vi, ali, uma oportunidade de treinar meu inglês. Foi massa pra caralho! Descobri tanta coisa legal sobre a cultura dele… Uma das informações que me espantaram foi o fato de ele ser cristão em uma família de cristãos. É, eu era ignorante. De um indiano, em meus estereótipos pessoais, eu esperava que fosse hindu, ainda mais vivendo em Kanpur, cuja população é, em sua maioria, adepta dessa religião.

A amizade se manteve com a mudança para o Facebook e durou alguns anos. Até semana passada, na verdade. Acabou por um motivo bem besta, uma coisa de nada. Acabou porque sou gay. Calma, eu explico direitinho. Num primeiro momento, choca, né? Só que é mais normal do que você pensa. Você mesmo já deve ter, algum dia na vida, feito isso com alguém.

Depois de alguns meses sem contato, eis que a janelinha do Messenger sobe e era meu amigo indiano. Sorri de orelha a orelha e pensei na hora em perguntar como estava o casamento dele (que estava com problemas, infelizmente, na última vez que conversamos) e a irmã dele, que havia viajado para a Europa e ficaria 3 meses. A conversa estava muito legal até que ele me perguntou sobre minha vida. Contei algumas coisas leves, sempre omitindo gênero, sempre falando de “someone” (“alguém”) ou “there’s this person” (“essa pessoa”). É um cuidado babaca, triste, mas natural pra mim. Já perdi amigos por muito menos. Aos poucos fico mais confiante, mas toda uma vida condicionada a ver homossexualidade como uma coisa ruim deixa suas marcas mesmo num homossexual. Talvez ainda mais, porque é sempre uma sabotagem pessoal, um julgamento negativo de si, uma faca enfiada no próprio peito.

Ele notou. Perguntou. Disse que eu nunca dizia nomes e que achava engraçado, mas que queria saber o porquê. Afinal, ele sabia o nome dos meus cachorros mas não de minhas namoradas. Nesse momento, foi automático o que aprendi há pouco tempo, depois de quase dois anos de terapia: eu não preciso mentir. Eu sou um cara que gosta de outros caras, e isso não é uma vergonha. A intolerância alheia pode incomodar, mas a pessoal machuca, rasga.

Respondi que eu tinha receio de dizer que era gay porque havia o medo de perder contato com alguém tão diferente de toda a minha realidade.

Pausa.

Agora, o que eu queria era contar aquela reviravolta, sobre como ele aceitou tranquilamente e as diferenças superaram barreiras para a criação de um mundo melhor em que gays não serão prejudicados por quererem transar com pessoas do mesmo sexo. Mas não. Não foi isso o que aconteceu.

Voltando.

O rapaz automaticamente entrou no discurso de que eu iria para o inferno. Continuou falando coisas um tanto quanto pesadas. Assim, na camaradagem. Não foi agressivo. Foi natural. Eu disse que sentia muito, mas que o excluiria e não queria mais contato. Ele ficou surpreso. Perguntou por quê. Eu respondi por quê.

Disse que não acreditava nos mesmos princípios que os dele e que minha visão era pessoal demais para encaixar em uma doutrina. Ainda assim, eu entendia os princípios da religião dele e sabia que o inferno é a pior coisa que pode acontecer com alguém, de acordo com as descrições. Estamos falando de sofrimento eterno. Não é um câncer terminal. O câncer terminal pode doer muito, mas acaba na morte. O inferno não tem esse ponto final. É a alma que vai sofrer as piores torturas que podemos imaginar.

Eu agradeci que ele não tivesse sido agressivo, afinal, eu acharia ofensivo se estivesse na UTI de um hospital e alguém chegasse gritando EI, SEU MERDA, VOCÊ VAI SOFRER PRA CARALHO. Falta de respeito! E isso é leve, porque é só lembrar que estamos falando de sofrer torturas bastante utilizadas na época da ditadura militar ETERNAMENTE.

Ainda assim, eu não entendia como poderia manter contato com uma pessoa que soubesse de todas essas coisas ruins e falasse levianamente isso pra mim. Sem pensar no impacto. Eu poderia acreditar nessa parte também e fazer algo terrível por medo. Ser humano é poder pensar. É saber se há abertura para abordar certos assuntos (não chego perguntando sobre a vida sexual de minha chefe, por exemplo) e, caso não haja, lamentar e ficar na sua.

Se eu fosse religioso e estivesse no lugar dele, sabem o que eu faria? Falaria “uau” e mudaria de assunto, falando de mais um passeio de elefante, porque, afinal, meu amigo nunca viu um elefante. Antes de dormir, contaria a minha esposa, que, afinal, voltou pra casa e faria uma oração por ele. Se tivesse que ir pro inferno, pega essa oração e suavize a pena dele, amém.

Ele escreveu que ficou sem palavras, me pediu desculpas e disse que… Não havia pensado. Então respondi que, mesmo não pensando, ele matou algo de muito bonito: minha vontade de saber se, na última missa a que ele foi, ele acendeu a vela que eu pedi.

O que eu quero pra 2016? Não sei. Mas eu poderia ter passado meu 2015 sem esse episódio. Espero que você possa pensar no que faz a um homossexual em seu dia a dia quando o despreza por sua orientação. Que a piada ou a sentença ao inferno cria um inferno particular. Esse inferno particular nem sempre tem com quem desabafar. Não há como fugir.

A vela foi acesa sim. Eu agradeci e me despedi. Foi um bom amigo.

O Curitiba Cult cedeu espaço ao autor, que preferiu não se identificar.