Com a indicação ao Oscar, a animação francesa “Perdi meu Corpo” consegue um novo fôlego e volta a ganhar a atenção merecida dentro da Netflix. O protagonista azarado, os diálogos que nos prendem e temas corriqueiros criam um filme interessante, que vale a pena ser assistido.

Conhecemos a história de Naoufel, um jovem que perdeu os pais em um acidente de carro cedo, não tem a melhor sorte com o início da vida adulta e também perde sua mão. Acompanhamos três momentos cronológicos: a infância de Naoufel, a história da mão sem corpo e o presente de Naoufel.

O protagonista latino tem seus sonhos de ser astronauta e pianista, morando com seu tio grosseiro e trabalhando como motoboy. Todo seu passado é revisitado com seu antigo gravador, e olha que a vida do menino foi sofrida.

A obra, que tem apenas 80 minutos, demorou sete anos para ser produzida, e não falha na qualidade principalmente visual. É sob a direção de Jérémy Clapin em seu primeiro longa metragem que nós viajamos para essa versão bem urbana de uma animação 2D.

Mesmo sendo nada Hollywoodiano, o filme cabe perfeitamente em uma plataforma de streaming. Depois de darmos o play, não vemos o tempo passar.

“Perdi meu corpo” se torna uma animação adulta assumida desde a primeira cena. O apelo visual é bem gráfico, já nos primeiros minutos assistimos um olho ser pisado e violência contra animais. É nesse embalo que somos guiados para as aventuras mais surrealistas que passamos com a Mãozinha.

E outros destaques para o cuidado dos traços, com belíssimos efeitos de luz e sombra, texturas bem feitas e diversas vezes a simulação dos movimentos de uma câmera. A fotografia é, para mim, a melhor das animações indicadas ao Oscar.

Ao mesmo tempo que emergimos nessa história com uma trilha sonora caprichada e ilustração em sua excelência, o texto pode ser considerado o grande defeito do filme.

O roteiro (desculpa) perde a mão em desperdiçar muitos dos seus melhores elementos para se perder nessa mensagem em aberto, que demora pra acontecer e pode deixar público bem decepcionado. Com isso, joga fora a chance de emocionar muita gente e criar um novo clássico.

Afinal, não ganhamos algo do tipo “A parte que falta em mim”, aquele livro infantil que se tornou um best-seller brasileiro após a narração da youtuber Jout Jout. A reflexão típica do cinema francês trabalha com essa subjetividade, só dando pistas em cenas curtas e de livre interpretação.

É impossível não torcer pela protagonista secundária do filme, a jornada da mão que funciona com seu próprio enredo. Em um paralelo bem distante, a Mãozinha é quase como um Scrat da franquia “A Era do Gelo” – e pode ser até a parte mais legal do filme para muitos.

O romance stalker de Naoufel e Gabrielle, a bibliotecária introspectiva, é algo que incomoda bastante nos primeiros momentos, mas ainda assim é importante para entendermos a mensagem do filme. Se estamos falando sobre buscar um significado e se reencontrar, também faz parte vermos decisões imaturas e erros.

Não vemos quase nada de tecnologia atual, já que provavelmente isso poderia atrapalhar a narrativa que nos é apresentada. Poderia soar pedante um filme sobre a juventude moderna que falasse sobre tecnologia e desafeto, ainda mais feito para ser disponibilizado na internet.

“J’ai perdu mon corps” (título original) é um filme sobre se reconectar de uma forma simplista, sem grandes reviravoltas. É sobre aceitar seu passado e rejeições, e entender que não precisa de muito para olhar para o futuro. Só não recomendo que para a cura do público não seja necessário o final catártico de Naoufel.

Em tempos que o 3D avança tão rapidamente, o estilo da animação chega em boa hora aos serviços de stream, já acompanhado de filmes como “Klaus” (2019) e “Homem Aranha no Aranhaverso” (2018) que levaram estatuetas importantes.

Essa estética diferente e, ainda mais, animações estrangeiras conseguindo seu espaço nas indicações novamente é uma verdadeira vitória para o gênero. Então podemos esperar ótimas surpresas nos próximos anos.

Crítica por Gabriel Krambeck, especial para o Curitiba Cult.