Mesmo trabalhando com moda por longos 4 anos, sempre me senti um pato fora d’água. Porque não faço post com look do dia, não apareço em eventos badalados e raramente uso marcas mega desejadas por (quase) todas as meninas de moda que brotam do chão como grama. Tem vezes que eu até tento me parecer com essas meninas, mas rola um certo tipo de desconforto forçar situações por achar que isso geraria algum resultado. E a moda tem dessas de te deixar desconfortável, se sentindo meio fora de padrão. É a benção e a maldição.

Nesse tempo todo, se tem uma coisa que aprendi é que esse meio engessa se você não estiver atento. Estamos expostos às mesmas referências, aos mesmos meios de comunicação e aos mesmos blogs. Sinto que hoje, falar de moda é mostrar o quão badalada e famosa você é na internet e não discutir de fato o que ela representa na vida das pessoas. Não é só se sentir bem e bonita. Isso é a cereja do bolo. É apenas o reflexo do que as pessoas sentem dentro de si e que é exposto para fora.

Moda sempre foi algo mais sério pra mim e por isso digo que é uma benção e uma maldição gostar desse assunto. Porque seria mais fácil seguir a onda e falar das mesmas coisas, incentivar o consumo de coisas que você não pode pagar. Gerar uma ansiedade por ganhar mais para ter a bolsa da marca X, que eu emprestei para ir em um evento (não se engane, muitas coisas da foto são emprestadas e devidamente devolvidas depois), mas não sinto que devo! E acho isso porque também passo por esses momentos quando leio alguns blogs e matérias por aí. Tudo é feito para quem tem – ou finge ter – dinheiro para ter roupas novas todo mês.

E quando se fala de moda sem exibicionismos, por trás dos panos, pode ser que as marcas não te achem, não venham atrás de você. Calma, garota! Não tem problema se isso acontecer, pois existem coisas que podem ser feitas por amor! Estou descobrindo isso e tenho gostado bastante. Fazer babyliss para sair de casa não é regra, o cabelo molhado e meio bagunçado faz parte da vida real. Usar a mesma calça por 5 anos também! E eu acho que se a sua relação com moda é verdadeira, mesmo que você não ganhe um tostão com isso, você terá uma recompensa maior do que ganhar presentes das marcas. Você terá orgulho do que escreve, orgulho por passar a sua visão das coisas, de como está inserida neste mundo. Quer recompensa melhor do que fazer as coisas por você e não pelos outros? Tem vezes que somos nós que precisamos mudar para transformar o que parece maldição em benção. Tenho pensado sobre isso, e você?