E se, ao invés de pessoas alimentarem os pombos, os pombos alimentassem pessoas na rua? Essa é apenas uma das ideias inusitadas que fizeram os estudantes de design da Universidade Federal do Paraná Giuliano Perretto e Max Alan Kampam, ao lado de Guilherme Martins Pimenta e Pedro Petry, estudantes de arquitetura, criarem o Coletivo Paralelo, que espalha lambe-lambes (pôster artístico colado em espaços públicos) por Milão.

Coletivo-Paralelo-lambe-lambe

O grupo iniciou os trabalhos há cerca de um mês, durante conversas entre amigos sobre design, política e outros aspectos que eles enxergavam no espaço urbano. Entre brincadeiras, eles começaram a imaginar dinâmicas diferentes dos acontecimentos cotidianos da cidade e, então, decidiram criar o projeto e levar o conceito para as ruas de Milão. “Queremos que as pessoas passem a perceber mais a cidade, os seus detalhes, reflitam um pouco ao ver os trabalhos, não só do nosso coletivo, mas de outros artistas, escutem o que a cidade tem pra dizer”, explica Giuliano Perretto.

Coletivo-Paralelo-lambe-lambe

O ponto de partida dos trabalhos do coletivo é sempre o design e na ressignificação de alguns conceitos e objetos. A imigração, a desigualdade social e o racismo são alguns dos temas que já foram abordados, sempre acompanhados de um elemento de humor. “Nossa logo é uma carta de baralho, na qual geralmente nas figuras se tem uma imagem de um rei, ou rainha. Jogamos um pouco com essa ideia e colocamos um mendigo, adornando uma poltrona em seu pescoço, que virou uma espécie de capa, dando uma imponência ao morador de rua. No nosso universo paralelo, um mendigo pode ser rei”, conta Perretto, que pretende levar o trabalho para outras cidades junto com os amigos. “Temos algumas viagens marcadas na Europa, pretendemos colar alguns lambes fora da Itália, a Rússia talvez seja um dos nossos destinos . E quando voltar para o Brasil temos em mente dar continuidade às atividades, tanto em Curitiba quanto em São Paulo”, completa.

Coletivo-Paralelo-lambe-lambe

O trabalho é feito apenas com papel e cola fabricada pelos integrantes com a mistura de água quente e farinha.

Fotos: divulgação