Se este review tivesse sido escrito a primeiro ouvido, ou com base nas amostras de Lover, hoje eu poderia facilmente estar arrependido das minhas palavras. Felizmente, meu período de degustação do álbum bateu com a data da festa promovida pelo Curitiba Cult em parceria com o James e aqui está mais um textão de aclamação do pop. E Lover merece!

O herdeiro legítimo de RED e 1989 não chegou empolgando todo mundo, não. O lead single “ME!”, parceria com Brendon Urie, vocalista da banda Panic! At the Disco, recebeu muito nariz torto por aí; com “You Need To Calm Down”, segunda música trabalhada na divulgação, as coisas melhoraram e o videoclipe impecável desempenhou um importante papel nessa guinada (rendendo até prêmio de vídeo do ano no VMA). “The Archer” quase passou despercebida por alguns e as coisas só esquentaram de verdade quando conhecemos Lover, a faixa que dá nome ao novo hinário de Taylor.

Olhando para o que a hit maker nos entregou até agora, desde a sua entrada no pop, temos: RED – O nascimento de um ícone; 1989 – A confirmação da lenda; reputation – A derrubada; e Lover – O redescobrimento. Nesta nova era, podemos ver uma Taylor mais leve, que esqueceu todos aqueles problemas (que até rendiam algumas músicas, ou uma era completa, como foi com reputation) e se entregou ao amor. Não o simples amor que pode vir a ser uma música sobre término em um próximo álbum, mas ao amor como um todo. Lover é uma celebração das várias formas de amar e suas consequências.

Logo na primeira faixa do disco, a cantora fala de como ignorar algo que não te faz bem é um ato de amor próprio. Em “I forgot that you existed“, parece que conseguimos ver a ex-treteira fazendo as pazes com ela mesma.

Em seguida, “Cruel Summer” chega arrebatadora! E se até aqui não ficou claro que esse texto é cheio de opinião, vou dizer: ESTA É A MELHOR MÚSICA DESTE CD. Com o clipe certo, tem tudo para ficar eternizado na carreira da moça.

Lover” também está nessa primeira parte do disco e se encaixa perfeitamente no arco construído para a narrativa do álbum. Como um próximo passo na relação, ela assume um compromisso sério com a sua arte e nos entrega um hino de amor atemporal.

The Man” é quarta da tracklist e, por mais que a minha intenção não fosse fazer um “faixa a faixa”, ela torna impossível ignorar qualquer uma das músicas que abrem este trabalho de Swift. Até “The Archer”, que vem logo depois, parece se encaixar no todo. Recentemente, ela começou a me soar como alguma coisa que poderia ser lançada pelo The Killers.

Falando nisso, “Miss Americana” & “The Heartbreak Prince”, que também é uma das minhas favoritas, me lembra um pouco os trabalhos de outra diva da música, Lana Del Rey, outra que também acabou de lançar material novo.

Paper Rings” não pode passar batida, por que parece uma reconexão de Taylor com as suas raízes musicais, feita de uma forma muito simples e divertida. Ela antecede outra excelente faixa deste álbum, “Cornelia Street”, que é explicitamente pessoal e fala do relacionamento entre a cantora e seu atual namorado, Joe Alwin. Acho que já podemos agradecer o casal pela balada pop perfeita. O boy também parece ser inspiração para outras faixas, como em “London Boy“, obviamente e para todas as outras vezes que ela fala do amor romântico.

Além disso, ao longo das 18 faixas, Taylor fala de outras formas de amar. Por exemplo, do amor pela mãe, na intitulada “Soon You’ll get Better“. E aí ela se joga de vez no seu passado country, chamando até o grupo Dixie Chicks para uma participação na música.

Em “False God“, me corrijam se eu estiver errado, parece ser uma das primeiras vezes em que a loira fala de sexo em suas músicas. O resultado tem uma vibe totalmente oitentista e muito sexy, fazendo desta uma das minhas 5 músicas preferidas de Lover.

Taytay não esqueceu do seu squad e entregou “It’s Nice To Have a Friend” pra gente rodar com fadas em alguma floresta por aí. Essa música me lembrou a abertura de Big Little Lies, aclamada série da HBO e, por mim, já pode entrar pra soundtrack da terceira temporada da produção.

Vale lembrar que “You Need to Calm Down” e “Me!” estão nesta segunda parte do cd e acabam se encaixando no que se encaminha para o final da obra, que ainda traz outras excelentes faixas que também merecem a atenção dos seus ouvidos.

Por fim, temos “Daylight“, a música que quase deu nome ao álbum é o resumo dessa era apaixonada e apaixonante de Taylor Swift, fechando com chave de ouro o excelente trabalho da cantora e mostrando que depois de um período de escuridão (alô, reputation), vem sempre a luz do dia.

Lover é uma retomada incrível ao posto de compositora da geração e atual embaixadora do pop. A “carta endereçada ao amor”, como foi definida pela própria dona do álbum, não deixa dúvidas de que esse comeback é um dos melhores da indústria este ano. Coerente em si e com a carreira de Taylor, Lover pode ser um daqueles álbuns que marcam a carreira de um artista. Agora TACA STREAM NA LENDA e corre confirmar presença na festa de lançamento hoje!

Serviço – BLACK (Curitiba Cult) Friday com Taylor Swift lançando o “Lover”

Quando: 30 de agosto de 2019 (sexta-feira)

Onde: James Bar (Alameda Dr. Carlos de Carvalho, 680)

Horário: das 22h às 05h

Quanto: R$25 a R$30

Vendas: na hora

Informações: (41) 3222-1426 ou no evento oficial