Essa semana separei algumas curiosidades que eu encontrei em um livro incrível* que eu comprei esses dias. Lá vai:

  1. Reza uma antiga lenda samoana que duas deusas irmãs, Taema e Tilafaiga, traziam a arte da tatuagem de Fiji para Samoa em um barco, cantando uma canção onde somente as mulheres poderiam se tatuar, mas não os homens. No meio do caminho, o barco das deusas foi afundado, e quando elas retornaram para a superfície a canção mudou, somente os homens poderiam ser tatuados. Samoanos
  2. As mulheres da tribo Ainu, no norte do Japão, tatuam os lábios e algumas o queixo, como forma de identificar que já estão na puberdade, portanto, aptas ao casamento.Ainu
  3. Em meados da década de 20, nos EUA, o ato de tatuar-se era legalmente equivalente a uma relação sexual. Em Boston, dois jovens foram absolvidos do crime de estupro, pois a vítima possuía suas iniciais tatuadas no ombro. A moça, que era virgem, foi automaticamente considerada sexualmente ativa e então acusada de negligência e falta de caráter.
  4. O neozelandês e reverendo metodista Francis Rawei foi aos EUA por volta de 1900 e propôs que toda mulher casada deveria ter uma tatuagem em seu queixo, assim como as da tribo Maori, da Nova Zelândia. De acordo com Rawei, isso diminuiria consideravelmente os casos de adultério e abuso contra as senhoras casadas. A proposta foi rejeitada, obviamente.
  5. Em 1929, os tatuadores estimavam que 5% das mulheres americanas possuíam uma ou mais tatuagens no corpo.
  6. Por volta de 1870, duas moças da alta sociedade, que tinham marcas de nascença em suas bochechas, foram submetidas a uma cirurgia simples para a remoção dos sinais. Após o procedimento, ficaram com manchas brancas no local da remoção. Para cobrir a área, elas procuraram o tatuador Billy Donnelly. Donnelly conheceu um químico britânico na guerra que tinha inventado uma tinta de tatuagem branca. Misturando a tinta branca com o vermelho tradicional ele chegou a um tom rosado leve, e as moças ficaram permanentemente maquiadas, o que deu início a uma febre entre as meninas!
  7. Após o caso das bochechas maquiadas, muitas mulheres procuravam os tattoo masters da época em busca de lábios de cupido permanentes. Artistas burlescas começaram a lotar os estúdios em busca de blushes, batons e sobrancelhas definitivas!
  8. Na Primeira Guerra Mundial, muitas enfermeiras tatuavam seus nomes acima do cotovelo como forma de identificação.
  9. Em 1909 foram registrados vários casos de marinheiros que tatuavam pin ups nuas em seus corpos como forma de afirmar sua masculinidade e esconder sua “frequente homossexualidade”. Deste período em diante, a marinha americana proibiu a aceitação de qualquer oficial que possuísse estes tipos de desenhos em si, rotulando todos como imorais. Logicamente, essa proibição não durou muito tempo.Pinuo
  10. Um dos ícones mais tradicionais da tattoo Old School só poderia ter sido consagrado por elas, as prostitutas, sempre lançando moda ao longo da história. A clássica adaga com o escrito “Death before Dishonor” era a marca registrada das profissionais das mais baixas classes, para representar sua luta diária por sobrevivência, mas com honra, acima de tudo.

Death

Essas foram apenas algumas das passagens mais interessantes do livro, pelo qual eu estou obcecada! Se vocês curtiram esse texto, deixem um salve e eu posso preparar mais algum material do gênero, se não gostaram deixem um “opa” também.

* As informações foram tiradas do livro “Tattoo: Secrets of a Strange Art”, de Albert Perry, originalmente publicado em 1933. Eu só o encontrei pela Amazon. Como o livro é antigo, ele possuía várias pontas soltas, eu fui pesquisando em outros lugares, e como isso aqui não é nenhum TCC, não vou ficar enchendo de referências, mas caso alguém queira se aprofundar é só me perguntar que eu passo as fontes 🙂

Au revoir.