É difícil pensar como seriam os filmes de super-heróis hoje se Bryan Singer não tivesse assumido a saga dos mutantes antes da virada do milênio. Anteriormente, poucos quadrinhos tinham sido adaptados para o cinema – os maiores destaques foram o Batman, de Tim Burton; e o Superman, de Richard Donner, mas nada parecido com X-Men.

Singer ressuscitou os filhos do átomo, quando, com um orçamento de US$ 75 milhões, arrecadou $54.471.475 nos Estados Unidos em sua semana de abertura. A segregação entre o homo sapiens e o homo superior (mutantes), que ganhou destaque quando Chris Claremont assumiu o roteiro dos quadrinhos nos anos 80, gera a dramaticidade da trilogia original: X-Men, X2 e X-Men 3: O Confronto Final. O terceiro, que infelizmente não foi dirigido por Singer, recebeu os cuidados de Brett Ratner e é considerado o pior da saga, tanto pela condução trágica de alguns personagens, quanto pela adaptação pífia de uma das mais grandiosas histórias dos mutantes: A Saga da Fênix Negra.

Impossibilitados de dar sequência ao erro de Ratner, Matthew Vaughn foi convidado para mostrar quem era Charles Xavier (Professor X) e Erik Lehnsherr (Magneto) na década de 60, em X-Men: Primeira Classe. O filme fez tanto sucesso que deu origem a uma nova saga dos mutantes, que em 2014 trouxe Bryan Singer de volta à direção – novamente com uma história de Claremont: Dias de Um Futuro Esquecido.

E foi aí que paramos. Singer teve a chance de recomeçar todas as histórias que já foram utilizadas e corrigir a confusa cronologia cinematográfica dos filhos do átomo. Não que ele tenha extraído, talvez por respeito a Ratner, o melhor dessa oportunidade, mas Apocalipse vem para acabar com o estigma de que o terceiro filme da franquia X-Men – seja ela a original ou a nova – tende ao fracasso.

Em minha crítica de Batman vs Superman, argumentei que Zack Snyder teve que tomar uma decisão ao assumir a direção do longa: agradar a crítica cinematográfica ou os fãs de quadrinhos. Ficou clara a decisão do diretor em privilegiar referências que apenas leitores das HQs entenderiam, e por esse motivo o longa foi alvo de severas críticas. O mesmo acontece com X-Men: Apocalipse: sem pestanejar, Bryan Singer dedica as duas horas e meia da narrativa para satisfazer seu público alvo: os amantes das históricas clássicas dos X-Men.

Logo no início, conhecemos nosso protagonista: Apocalipse. Considerado o primeiro mutante da história da humanidade, sua existência primitiva põe em xeque a premissa de que o gene mutante só se desenvolveu no século XIX, e ainda na primeira sequência do longa descobrimos as razões pelas quais o mutante original se mantém imortal. Sequência com alto grau de violência – maior até que o da batalha final.

De milhares de anos atrás para a década de 80, a abertura do filme traz uma linha do tempo que cumpre a função de deslocar sua narrativa pelos acontecimentos históricos que nossa humanidade enfrentou – que terão importância significativa na motivação de Apocalipse em se tornar um vilão. Motivação que parece convergir com a de Magneto, que também foi muito bem aprofundada por Singer e que justifica ações futuras do personagem (presentes na trilogia original da franquia) – em certos momentos é possível até mesmo se afeiçoar ao vilão.

A aparição de Wolverine, que não é surpresa para ninguém, visto que suas garras têm destaque no último trailer do longa, é um dos pontos altos do roteiro. Retratado ainda como um animal, temos contato com o personagem pós-implantação de sua armadura de adamantium, trazendo às telas uma das mais importantes histórias do mutante: a Arma X. Inclusive, A Saga da Fênix Negra começa a ser redimida, mas dizer mais do que isso seria spoiler.

Jennifer Lawrence, que ainda não apresentou um desempenho tão bom quanto sua antecessora (Rebecca Romijn), recebe uma importância que Mística nunca teve nos quadrinhos. Vista aqui como uma heroína por seus atos em Dias de Um Futuro Esquecido, a própria personagem não aceita o título e tão pouco convence o público.

Os efeitos especiais são executados com responsabilidade, mas, infelizmente, a insistência dos estúdios em apresentarem seus filmes em 3D causa uma distração desnecessária no que poderia ser melhor apreciado: a fotografia, direção de arte e mise-en-scène. Outra falha do estúdio foi interferir no visual de Apocalipse, deixando a caracterização do personagem mais humana e menos parecida com a dos quadrinhos (confira o visual original aqui).

Singer prova, novamente, que é um grande fã das histórias de Claremont e que não só entende do universo mutante, mas sabe conduzi-lo como ninguém, emocionando os fãs dos quadrinhos clássicos. Talvez, seu principal feito com a produção seja reverter a “maldição do terceiro filme”, entregando aqui a melhor produção da nova fase dos mutantes.
X-Men: Apocalipse chega aos cinemas – convencionais e IMAX – no próximo dia 19.