Estreia nesta quinta (23) uma nova adaptação do vampiro Drácula, oriundo do antigo livro de grande sucesso de Bram Stoker. Aqui como o título remete não temos mais uma simples história de Drácula e sim uma mostra de como tudo começou de um jeito que até agora não havia sido contado.

Tendo Luke Evans como protagonista na pele do Conde Vlad e um diretor que nunca havia dirigido um filme antes como Gary Shore, a produção arrisca pouco para entregar um filme descomprometido de qualquer coisa. A história começa nos mostra um Vlad ainda pequeno sendo obrigado a ajudar o exercito turco e se transformando em um guerreiro letal conhecido como O Empalador. Após as guerras consegue voltar as suas terras onde se torna príncipe e cria uma família, anos passam e as crianças novamente são exigidas pelos turcos. Vlad (Evans) então tem a chance de fazer diferente e manter a família unida, custe o que custar.

Como prometido a produção não investe no Drácula em si, mas no seu possível passado e transformação. Mesmo sem se estender muito podemos ter uma boa noção de todos os acontecidos e motivações de Vlad para se tornar o que se tornou. O filme não entra como um retrato fiel do personagem, longe disso, mas como uma forma de trazer Drácula para a cultura atual. Uma forma bem comercial, despretensiosa de algo maior e possivelmente com algumas sequências pelo que retrata o final do curto filme de 90 minutos.

Não se pode querer julgar o filme como grande produção, pois este Drácula em nenhum momento quis tal honraria. A proposta da Universal é bem clara desde quando foi anunciado, “Drácula – A História Nunca Contada” é simplesmente mais um filme de entretenimento, que não compromete o nome do personagem e acima de tudo um jeito de ganhar dinheiro sem correr grandes riscos. Falhas existem e aos montes, um exemplo é a batalha “final” onde tudo é muito mal explicada e resolvida, porém no geral acaba servindo como uma opção de entretenimento fácil.

Ponto forte

As cenas de ação são interessantes, com utilização de câmera em movimento, visão de calor, primeira pessoa e alguns momentos de interação de morcegos em meio a batalha.

Ponto fraco

Mesmo não buscando isto, faltou um pouco de aprofundamento na história. Talvez a intenção de vender fosse tamanha que nem pensaram em caprichar mais no produto. Pelo menos uma explicação melhor na passagem de humano para vampiro.

Nota: 6,5

Trailer  Drácula – A História Nunca Contada (Dráculda Untold)