A cantora francesa Zaz se apresentou pela primeira vez em Curitiba na última sexta-feira (27). A abertura ficou por conta do cantor suíço Bastian Baker. Ao chegar na Ópera de Arame, uma imensa fila contornava a entrada da Pedreira e era difícil de achar o final dela. A entrada foi lenta e desorganizada, o que fez com que muita gente perdesse parte do show de abertura. A opção de não vender cadeiras numeradas gerou certo desconforto em grupos que foram juntos e tiveram que se separar por não haver cadeiras próximas – havia pouquíssimas cadeiras livres, o show estava quase esgotado.

Bastian, ainda pouco conhecido pelo público brasileiro, fez um show animado, mesmo no formato voz e violão, e instigava a plateia a todo o momento a bater palmas e acompanhá-lo. O show durou cerca de 1h e logo após, na troca de palcos, o grupo Tetear fez uma apresentação de dança em um dos camarotes. Às 22h05 as luzes se apagam e a banda entrou no palco, seguida de Zaz, que cantou a música On Ira somente com um feixe de luz, bastante introspectiva, mas não para o público que gritava, aplaudia e corria para frente do palco para se aproximar da cantora.

O show prosseguiu com 90% da plateia em pé, sentando apenas em momentos mais intimistas. A cantora estava extremamente animada e constantemente pedia ajuda da plateia com gritos, coros e palmas. Um dos momentos mais bacanas do show foi quando Zaz disse que tinha um presente para os fãs e cantou em português a música Samba Em Prelúdio, de Vinicius de Moraes.

Depois de quase 20 músicas, a cantora se despediu brevemente para voltar com o famoso bis. Nesse momento algumas pessoas começaram a deixar a Ópera de Arame, talvez com medo da fila de saída do estacionamento, ou porque os relógios já marcavam quase meia-noite. No bis, Zaz cantou a música Dans Ma Rue, de Edith Piaf, e uma de suas músicas mais famosas, J’aime à Nouveu, do seu primeiro CD. Após quase 2h de show, Zaz foi aplaudida com muita euforia pelo público curitibano.

[masterslider id=”8″]