O disco “Abraçaço” de Caetano Veloso faz parte de uma trilogia que se iniciou com o já consagrado álbum “Cê” lançado a seis anos atrás, marcando  a parceria de Caetano com a então molecada de vanguarda, A Banda Cê, como ficou conhecido o Trio. Caetano brinca em dizer que estava procurando uma banda para tocar as musicas que ele compunha, agora, ele escreve musicas já pensando em como a banda tocará, afirmando mais uma vez uma das parcerias mais proveitosas dos últimos anos para a musica popular brasileira, mesclando elementos do pop rock internacional juntamente com o consagrado Rock-and-roll ao  indie-rock, juntamente com elementos pra lá de brasileiros,assim, o tropicalista continua botando fogo no caldeirão musical.

O disco “Abraçaço” desde seu lançamento ocorrido no ano passado, vem carregando em sua bagagem muitos elogios e consagrando-se como cult e arrojado, característica que o Baiano nascido em Santo Amaro da Purificação, no Recôncavo da Bahia, traz como sua maior marca, com rupturas de estéticas e conceitos. Caetano Veloso não só é um grande gênio, mas espanta com sua facilidade em adaptar-se ao novo, ao desconhecido, a trabalhar com gente nova, gente fresca no sentido de rompimento atual, e “Abraçaço” é a prova sonora do que o tempo afirma, ATUAL, porém vivido.

Caetano diz que seu novo trabalho vai “da raiva à melancolia” e completa, “O Cê é mais Pau Duro” mais raivoso e angustiante, enquanto o “Abraçaço” navega em mares melancólicos onde o álbum anterior não ousava penetrar.

O nome “Abraçaço” nasceu da forma em que Caê usa para se despedir em seus emails, ampliando o conceito do termo a becos e não becos mais profundos “Abraçaço é uma palavra muito bonita e tem essa reverberação, parece um eco, mais ainda quando escrito, esse a-ce-cedilha duas vezes. É como se fossem círculos concêntricos de abraços, que vão se expandindo. Não é apenas grande ou maravilhoso como é um golaço, por exemplo. É expansivo. No disco, o abraçaço abarca desde cena íntimas até o fato que “o império da lei há de chegar ao coração do Pará”. Explica Caetano em entrevista ao Jornal “O Globo”.

Caetano que irá se apresentar em Curitiba com a Turnê do novo disco, embarca no Teatro Positivo dia 24 de julho, o espetáculo contará com caçoes como a já famosa “A Bossa Nova é Foda” do novo disco, “Um Comunista”, “Funk Melódico”, “Estou Triste” e “Parabéns”, além – é claro – de canções consagradas como “Triste Bahia”, “Reconvexo” e “Eclipse Oculto”. E o publico pode se preparar para somente receber um grande abraçaço “mas um abraço espalhado, abrangente ou múltiplo” como tão bem definiu Caetano referindo-se ao seu novo show.

Por Bruno Bueno Requena.