Os caminhos de Crosby, Stills, Nash & Young se cruzaram muitas vezes ao longo de suas vidas. Os momentos de maior colaboração renderam shows incríveis e uma obra-prima chamada Déjà Vu. Essa reunião de mestres já nasceu como um supergrupo, pois todos os integrantes já haviam experimentado o sucesso em suas bandas anteriores. Dono de uma poderosa voz e de uma personalidade forte, David Crosby havia fundado os Byrds. Graham Nash e seus belos agudos eram parte fundamental dos Hollies. Já Stephen Stills e Neil Young eram companheiros de banda havia algum tempo. Os dois, ao lado de Richie Furay, Bruce Palmer e Dewey Martin, haviam formado uma das mais influentes bandas de rock da Califórnia da década de 1960, o Buffallo Springfield.

O Buffalo Springfield surgiu em 1966, ano em que lançou seu primeiro disco homônimo que trouxe o hit ‘For What It’s Worth’. Essa música, que tornou-se uma referência nos protestos anti-guerra, mostra as influências folk temperadas com rock que define o som da banda. Neste primeiro disco, Young e Stills são os responsáveis pela composição. Porém, uma das marcas do Buffalo Springfield são as suas várias forças criativas.

Essa característica é importante dentro de uma banda. Por um lado, cresce a variedade e a criatividade das composições, por outro, torna-se mais difícil conciliar todos os interesses artísticos. Richie Furay, que no primeiro disco contribuiu apenas com sua guitarra e sua voz, também era um grande compositor – tanto que fundaria a banda Poco após o término do Buffalo Springfield. Assim, algumas de suas composições entraram no segundo disco. Mas o relacionamento entre os integrantes não era fácil e também existiam dificuldades extras – como as ausências do Bruce Palmer devido a problemas com a lei (notem a participação do baixista no vídeo abaixo). Esses fatores influenciaram a produção do segundo disco da banda, mas não comprometeram a obra lançada em 1967, que seria o grande registro do grupo, batizada de ‘Again’.

Se o primeiro disco começa com um hit do Stills, ‘Again’ inicia com um pancada à la Stones do Neil Young: Mr. Soul. Avançando sobre a psicodelia, com elementos do rock e do folk, este disco mostra como cada um de seus compositores pensava na época. Além do fuzz de ‘Mr. Soul’, Neil também assina a psicodelia de ‘Expecting to Fly’. O arranjo e a produção revelam a influência dos Beatles e dos Beach Boys. A revolução causada pelo ‘Sgt. Peppers’ teve impacto no Neil Young. A última faixa do disco, ‘Broken Arrow’, é ambiciosa. Uma colagem, onde a melodia da música é intercalada por outras canções, órgãos e gritos do público. Um Neil Young ousado, experimentando orquestrações, arranjos e estruturas diferentes.

Agora também assinando canções, Richie Furray canta ‘A Child’s Claim to Fame’, uma canção folk rock com um belo arranjos de guitarras e slide. Já ‘Sad Memory’ é uma música triste, que se constrói sobre a voz e o violão de Furray, depois acompanhada de uma guitarra delicada ao fundo. Trazendo um swing funk e os vocais do baterista Dewey Martin, ‘Good Time Boy’ é outra contribuição de Furray para o disco.

O constante zumbido do fuzz da guitarra, a melodia que flutua sobre o arranjo de teclados e arranjo vocal que, caminhando com o baixo, contribui para a psicodelia da música. Assim é ‘Everydays’, assinada por Stephen Stills. ‘Bluebird’, outra canção dele, trás guitarras e banjos em diferentes arranjos. ‘Hung Upside Down’ mostra a potência da sua voz e da sua guitarra numa balada muito bem construída. A bela harmonia vocal é um dos destaques de ‘Rock & Roll Woman’, que também conta com um solo que combina guitarras e órgão.

O trabalho dos três compositores tiveram características diferentes neste álbum, o que prejudicou a unidade do disco. Porém, o grande talento dos envolvidos no projeto garantiram ótimas canções. Muitos dos problemas foram contornados com ajuda de músicos de estúdio, que contribuiram de várias formas. O Buffalo Springfield ainda lançaria mais um disco em 1968, ‘Last Time Around’, antes de acabar definitivamente para que seus membros, juntos ou separados, seguissem seus caminhos no rock.

  • Buffalo Springfield – Again – disco completo

  • NÃO É MAIS DIA 36
    • Pilula musical para mudar de vibe
      • Nina Simone – Live at Montreux – 1976 – Star/Feelings