A password will be e-mailed to you.

Reviver Down festeja pela primeira fez a chegada da estação mais florida do ano. No dia 21 de setembro, domingo, das 9h às 12h, acontece a 1ª edição da Festa da Primavera, no parque São Lourenço. A comemoração tem o objetivo de aproximar os associados à natureza e toda o renascimento da flora. O evento tem entrada franca, aberta a comunidade e contará com atrações culturais, recreação e distribuição de mudas.

Na data da festividade também é comemorado o Dia Nacional da Luta das Pessoas com Deficiência, que faz referência, pela proximidade com a primavera, da representação do nascimento das reivindicações de cidadania e participação plena em igualdade de condições, que teve destaque em 1982. De lá pra cá, sempre usada como um modo de reflexão e compreensão da importância da inclusão social para o desenvolvimento dos indivíduos na sociedade.

Para a presidente da Reviver Down, Marlene Dias Carvalho, a comemoração tem uma importância além da responsabilidade social. “Vale ressaltar que a festa traz todo respeito do ser humano à natureza. Toda a beleza da época e todo o cuidado que ela merece”. E completa: “a ideia é que a festa se torne fixa no calendário de eventos da associação, promovendo essa aproximação entre a pessoa com Síndrome de Down e todo esse universo que a natureza proporciona”.

Com o término do inverno, a primavera é o período de transição entre o quente e o frio. Momento em que a transformação na natureza se faz presente. A ação explora a inspiração e ressalta as habilidades de cada um. O evento tem apoio do Centro de Criatividade e vai contar com a participação da Bruxinha Cidinha, responsável pela contação de história e o Grupo de Teatro da Unibrasil (Grutun!), com a peça “A Tempestade”, baseada no clássico tragicômico de William Shakespeare em uma nova faceta com adaptação voltada ao público infantil.

Além das apresentações culturais, a Festa da Primavera contará com um piquenique recheado de pitadas lúdicas, que reúne recreação, brincadeiras e muita diversão. No final, serão entregues aos participantes uma muda de planta, para que toda vivência permaneça com cada um através do cultivo. Uma forma de contribuir para o desenvolvimento social e ambiental da sociedade.