Uma senha sera enviada para seu e-mail

Ao começar esse texto, tomei uma decisão: escrevê-lo em primeira pessoa. Jamais escrevi dessa forma aqui. O motivo é bem simples. Decidi fazer isso por não ser capaz de, nessa entrevista, separar meu eu jornalista do meu eu mulher. Achei justo e honesto deixar claro que minhas emoções de espalham por essas frases.

Na semana do Dia Internacional da Mulher, recebi a gratificante tarefa de entrevistar ninguém menos que “A mulher do fim do mundo”. Ela mesma: Elza Soares – que se apresenta em Curitiba no dia 11 de março. Esqueci todos os protocolos aprendidos na faculdade. Fiquei nervosa. Tive medo de fazer perguntas clichês. Tive receio de não ser jornalista à altura de uma tarefa tão importante.

Você pode se perguntar qual a diferença entre Elza e outros artistas que já entrevistei. Tenho uma brincadeira desde criança (na verdade, virou quase um hábito): descobrir ou imaginar quem fez algo antes que todo mundo resolvesse fazer também. Quem deixou a uva fermentar pela primeira vez e descobriu que era bom? Quem decidiu colorir a boca quando ninguém fazia isso? Como terá sido para a primeira mulher que colocou uma calça? Já deu para entender a dinâmica, né? O fato é que tenho admiração pelos pioneiros. E se tem uma coisa que podemos falar sobre Elza Soares é que ela fez muito quando quase ninguém fazia.

Filha de pai operário e mãe lavadeira, se tornou popular na década de 1960, quando era afronta uma mulher negra da periferia ser expoente da música brasileira. Desde a infância, outro destino se desenhava para ela. Porém, como faria por toda a vida, Elza rebelou-se, não aceitou destino que não fosse o que ela própria traçasse. Juntamente com outros grandes nomes da música brasileira, foi pioneira e criou um caminho no qual seguiram muitas outras Elzas que vieram depois dela. Inclusive as que não cantam, inclusive eu mesma.

Perguntei a essa grande mulher no que se difere a Elza de “A mulher do fim do mundo” (álbum lançado em 2015) da Elza que se apresentava, aos 13 anos, no show de calouros de Ary Barroso:

“Não sinto o tempo passar. Olho para trás e já vivi tanta coisa que nem acredito, mesmo! A moça que carregava lata d’água na cabeça, que sonhava uma vida melhor e que usava alfinetes de fraldas para ajustar a roupa da minha mãe no meu corpo apanhou muito, mas também bateu muito”.

Ela continua, dizendo que aquela Elza não é muito diferente da atual e que até hoje carrega consigo um alfinete de fraldas para não se esquecer de onde veio.

Ao longo dos anos, as letras brilhantemente cantadas pela voz rouca de Elza Soares, que foi considerada a cantora do milênio pela BBC, têm falado sobre ser mulher, ser negra, simplesmente ser. A intérprete de “Maria da Vila Matilde”, single que denuncia a violência doméstica, acredita que o artista é um agente transformador capaz de alcançar uma sociedade mais justa:

“Como artista, negra, mulher, trago comigo as bandeiras que acredito. Vou lutar contra o racismo, a homofobia, a violência contra a mulher.”

Sendo alguém que cresceu na periferia de São Paulo, sempre busquei me inspirar nas mulheres que deram a volta por cima, que não aceitaram, se rebelaram, criaram e recriaram. Quem ouve o último álbum de inéditas lançado (A mulher do fim do mundo, 2015) vê que Elza é eterna, mas se reinventa. Apesar de admitir que o mercado fonográfico – como todos os outros – é cruel com a mulher, Elza continua sendo a voz e a cara da mulher brasileira:

“Não podemos ter medo. A mulher tem que compreender a força que tem. Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima!”

Ver que Elza Soares continua com a mesma força, coragem e liberdade de antes me emocionou. Lágrimas chegaram a se formar nos meus olhos cansados de ver a desigualdade e a opressão do mundo. Chorei sim. Não nego e não me envergonho. Afinal, “ali onde eu chorei, qualquer um chorava”. É luta que segue!

Elza Soares sobe no palco do Teatro Guaíra neste sábado (11), às 21h. Os ingressos estão à venda a partir de R$45.