Um ano da minha vida dediquei a ser Pedro Álvares Cabral pelas avessas. Fui a Portugal desbravar o pastel de natas, bacalhau Gomes de Sá, as charmosas quintas, os belos azulejos e, principalmente, os vinhos. Estudos tornaram-se secundários.

Porém, mesmo com essa porção de boas coisas, comidas e bebidas e além-mar, a saudade do Brasil era forte, era grande. Lá não tinha os amigos de cá, não tinha minha mãe, não tinha meu cachorro, não tinha a nossa música.

Quando chegou o dia do aniversário do país tupiniquim, acordei e foi a primeira coisa que lembrei. Soa até piegas porque é piegas; neste ano mesmo, e no passado, e provavelmente no retrasado, me esqueci da data. Possivelmente só lembrei quando ainda frequentava a escola e era preciso cantar o hino.  Mas, em 2012, eu lembrei e, como uma das coisas que mais me fazia falta era a música, fiz uma compilação de canções para festejar os 512 anos. De Lenine a Vicente Barreto. De Paulo César Pinheiro a Cazuza. É o que segue, um canto que devia ser de alegria, mas que soou apenas como um soluçar de dor.

Alô, Alô W Brasil, Jack Soul Brasileiro do tempero, do batuque, do truque, do picadeiro, quero Notícias do Brasil que não é só litoral, é muito mais que qualquer zona sul, é branco, é preto, é mestiço, é Brasil Pandeiro. Na verdade o Brasil o que será? Qual a cara da cara da nação? Eu quero saber. Brasil, mostra a tua cara. Brasil é torto igual Garrincha e Aleijadinho que não precisa consertar. Brasil, pra mim, pra mim, pra mim. Aí na terra ainda jogam muito futebol? Muito samba, choro e o rock’n roll? Uns dia chove, eu sei. Mas em outros bate o sol da liberdade em raios fúlgidos. Brasil é um sonho intenso. Ó pátria amada. É um País Tropical abençoado por Deus e bonito por natureza. Quando voltar, não quero ouvir que estou europeizado, pois na hora da comida, enquanto houver Brasil, eu sou do camarão e ensopadinho com chuchu. Esse canto que devia ser um canto de alegria soa apenas como um soluçar de dor. Bye, bye Brasil, a última ficha caiu. Para todo o povo brasileiro, aquele Abraço!