A password will be e-mailed to you.

Uma das mais importantes bandas do rock nacional desde a década de 80, os Titãs lançaram recentemente o 18º álbum da carreira, Nheengatu, mostrando que estão mais críticos e atuais do que nunca. Com a acidez característica e engajados como sempre, Paulo Miklos, Sérgio Britto, Tony Bellotto e Branco Mello desembarcam em Curitiba, nesta sexta, dia 14 de novembro, com a turnê do novo trabalho, no Teatro Positivo às 21h15.

No show, os Titãs mostrarão o motivo de Nheengatu ter sido tão bem recebido pelos críticos e público. Além das músicas do novo trabalho, como o sucesso “Fardado”, no repertório também estarão clássicos dos 32 anos de trajetória da banda. Devem fazer parte “A minha maneira”, “Pra Dizer Adeus”, “Flores”, “Cabeça Dinossauro”  e “Diversão”.

Titãs

A banda – que nesse álbum volta a contar com Mario Fabre na bateria – também ataca o politicamente correto que patrulha opiniões e comportamentos. “Não pode fumar, não pode beber / Não pode xingar, não pode correr”, reclama Britto em “Não pode”. A futilidade dos verborrágicos que não têm nada para dizer é tratada em “Fala, Renata”, assinada pelo trio Britto, Miklos e Bellotto – também autores da energética “Eu me sinto bem”.

A obsessão cega por uma religião que suga as crenças e o dinheiro do fiel dá as caras em “Senhor”. O sarcasmo crítico se traduz na estrofe“Querem meu dinheiro, querem meu salário / Um santo no espelho, uma sombra no armário”.

“Senhor foi inspirada também nessa vontade de fotografar o Brasil atual, em que a religião se mistura na política com resultados terríveis, como a manipulação e a exploração de fiéis, a resistência de bancadas religiosas em aceitar a discussão de pesquisas com células tronco, descriminalização do aborto… A canção usa o formato de uma oração ao contrário, com uma base punk bem titânica, que lembra coisas de nossos discos mais antigos”, explica Tony Bellotto, autor da música.

E se o álbum remete aos primórdios dos Titãs, flerta também com a história da música brasileira, numa colagem genial em “Baião de dois”. A composição de Miklos inicia com “O mundo é um moinho”, de Cartola, e “A vida é um buraco”, choro de Pixinguinha. Segue adiante com “O mundo me condena”, de Noel Rosa, e “A vida me ultrapassa”, verso de Rita Lee e Tom Zé. Até desembocar em “É só isso esse baião, e não tem mais nada não”, inspirada em “Bim Bom”, de João Gilberto.

O lado mais leve (mas não menos crítico) de Nheengatu vem do olhar sempre afiado de Branco Mello, em parcerias com o cartunista Angeli e o autor e diretor teatral Hugo Possolo, em “República dos Bananas”, e com o também dramaturgo e diretor Aderbal Freire-Filho, em “Chegada ao Brasil (Terra à vista)” – ambas assinadas ainda pelo guitarrista Emerson Villani.

“Angeli é o criador desses personagens que aparecem na música e um gênio dos quadrinhos. Trata-se de um retrato bem-humorado das diferentes figuras que habitam  nossa República.  Aderbal e Hugo são grandes artistas do teatro brasileiro. Fizemos essas músicas inicialmente para outros projetos, mas os temas se encaixaram com perfeição nesse trabalho. Um rock falando da chegada ao Brasil e outro sobre os tipos brasileiros que vivem por aqui”, conta Branco.

É Branco que interpreta a única releitura do disco. Uma versão pesada para “Canalha”, clássico de Walter Franco, de 1979, cuja letra conversa bem com as outras faixas do disco. “Walter Franco sempre foi um compositor muito original, com referências variadas e que criou um estilo único. A canção é muito poderosa e continua atual, mesmo depois de tanto tempo”, opina Bellotto.

Nheengatu tem homenagem. Tem influência da música indígena. Tem um pouco de baião, xaxado e samba. E tem muito rock’n’roll. A densidade e acidez das letras se complementam naturalmente na sonoridade do disco, ancorada no clássico trio guitarra-baixo-bateria. É Titãs em sua (melhor) forma e conteúdo. Sem nenhum pudor.

Titãs em Curitiba – Serviço

Onde: Teatro Positivo (Grande Auditório)

Quando: 14 Novembro às 21h15

Ingressos: Variam de R$71,00 (meia-entrada) a R$266,00 (inteira), de acordo com o setor.

Vendas: Podem ser adquiridos através do Disk Ingressos (Loja Palladium – de segunda a sexta, das 11h às 23h, aos sábados, das 10h às 22h, e aos domingos, das 14h às 20h, – e quiosques instalados nos shoppings Mueller e Estação – de segunda a sábado, das 10h às 22h, e aos domingos, das 14h às 20h), Call-center Disk Ingressos (41) 33150808 (de segunda a sexta, das 9h às 22h, e aos domingos, das 9h às 18h), na bilheteria do teatro Positivo (de segunda a sexta, das 9h às 21h, e aos sábados, das 9hs às 18hs), na bilheteria do teatro Guaíra (de terça a sábado, das 12h às 21h) e pelo portal www.diskingressos.com.br .