A password will be e-mailed to you.

Quando o ator Thiago Lacerda tinha 18 anos e estava no início da carreira, ele se interessou pelas obras de Shakespeare. Era impossível não se impressionar pelas histórias do autor inglês, que se tornou um dos mais importantes dramaturgos do mundo por abordar um tema complexo e atemporal: o ser humano.

O contato de Lacerda com Shakespeare teve seus primeiros passos com Macbeth, Romeu e Julieta, Hamlet, Otelo e outras obras. Essa relação foi concretizada quando ele protagonizou uma montagem de Hamlet, dirigida por Ron Daniels em 2012. A experiência foi gratificante e, em outubro de 2015, Ron Daniels estreou o Repertório Shakespeare com Thiago Lacerda e outros 13 atores para apresentar as obras Macbeth e Medida Por Medida. As duas peças do Repertório Shakespeare fazem parte da programação da 25ª edição do Festival de Curitiba, que acontece entre os dias 22 de março e 3 de abril. O Curitiba Cult entrevistou por telefone o ator Thiago Lacerda sobre o projeto, a experiência de trabalhar com o diretor Ron Daniels e o zelo com o público.

Shakespeare atemporal

No Repertório Shakespeare, Thiago Lacerda interpreta a trágica jornada de ambição do protagonista Macbeth e, em Medida Por Medida, ele dá vida ao Duque, um homem justo e correto que se descobre corrupto ao longo da história. Os dois espetáculos são, respectivamente, uma tragédia e uma comédia. Apesar de terem propostas diferentes no palco, Lacerda observa muitos pontos de convergência entre as duas, “O nosso diretor brinca que Shakespeare só escreveu uma peça e que na verdade são 38 obras que abordam temas recorrentes que afligiam o autor. O principal tema dele era o ser humano”, comenta o ator.

Essa capacidade que Shakespeare tinha de descrever o ser humano de forma tão íntima, além de falar dos mesmos assuntos de formas completamente diferentes, foi o que, na opinião de Thiago Lacerda, transformou a obra do dramaturgo em obras atemporais. Ele afirma que “enquanto existir um ser humano pisando no chão do planeta, Shakespeare vai ser atual”.

repertório shakespeare

Thiago Lacerda interpreta na peça Macbeth junto com a atriz Giulia Gam. A obra é sobre a trajetória de um homem que se degenera a partir de sua própria ambição. Foto: Divulgação

Um diretor shakespeariano

Ao descrever o que essa jornada pelas obras do dramaturgo inglês representa para a sua carreira, Lacerda destaca a oportunidade de contar histórias maravilhosas e o privilégio de trabalhar lado a lado com o diretor brasileiro Ron Daniels. Sim, apesar do nome que soa estrangeiro, Ron nasceu no Brasil, em Niterói, no ano de 1942. Antes de sair do país, o diretor era conhecido como Ronaldo Daniel e, em parceria com José Celso Martinez e Renato Borghi, fundou em São Paulo o Teatro Oficina. Na década de 60 Ron viajou para a Europa, mas, quando soube do golpe militar que acontecia no Brasil, resolveu não voltar e desenvolver a carreira no exterior. Hoje, rebatizado e erradicado nos Estados Unidos, Ron Daniels é diretor honorário da Royal Shakespeare Company. Durante a carreira, Ron já assinou mais de 40 montagens de Shakespeare. Diante desse currículo, Lacerda pensa que é um privilégio dividir o espaço de cena com Ron, um diretor brasileiro que o Brasil desconhece. “[Ronaldo] é uma das maiores autoridades no mundo sobre Shakespeare, poucas pessoas são capazes de falar de Shakespeare com tanta intimidade quanto ele”.

O profundo conhecimento sobre as obras de Shakespeare, porém, não é o único motivo pelo qual o ator admira Ron Daniels. Lacerda também fica feliz pela oportunidade de trabalhar com alguém que compartilha das mesmas ideias que ele tem sobre o teatro. Poder contar boas histórias para o maior número de pessoas possível pode ser um resumo do que Thiago acredita na profissão dele. É por esse motivo que o ator de identifica com a visão de Ron Daniels sobre as obras de Shakespeare, “Para o Ronaldo, o teatro tem que ser entendido pela plateia. O teatro de Shakespeare pode ser um teatro de alto nível oferecido para o povo, para que as pessoas voltem ao teatro”, explica. Ator e diretor concordam: a intenção é contar as histórias de Shakespeare de maneira simples, objetiva e, ao mesmo tempo, fiel à obra.

Ron Daniels

Segundo Thiago Lacerda, o diretor Ron Daniels (foto) diz que o teatro é para o João e para a Maria, ou seja, deve ser para todos. Uma abordagem simples e fiel é a essência do Repertório Shakespeare. Foto: Adriano Fagundes/Teatrojornal

Quanto à possibilidade de continuar essa imersão nas obras de Shakespeare junto com Ron Daniels em futuros projetos, Thiago responde animado, “Sim, a gente não termina por aqui”.

O(s) espetáculo(s)

Ao todo, são 14 atores que atuam em ambas as peças do Repertório Shakespeare – Macbeth e Medida Por Medida. Para atingir o objetivo de proporcionar um tetro simples e de qualidade, é preciso muita dedicação por parte atores, e, de acordo com Thiago Lacerda, grande parte dessa preparação se encontra no estudo do texto, “Todas as respostas que os atores precisam sobre os personagens, conflitos e a engenharia dramática de Shakespeare estão no texto. Então a nossa preparação é em torno do texto, sempre foi”, diz o ator.

O texto no qual Thiago e os atores do projeto se baseiam para encenar é o mesmo que foi usado para realizar inúmeras montagens da obra de Shakespeare pelo mundo. Isso se torna um desafio para o autor que procura sempre se inovar no palco. Para essa situação tão recorrente no universo do teatro, Thiago já tem uma estratégia definida: imaginar que essas peças nunca foram contadas antes. “O que a gente faz é imaginar que as histórias estão sendo contadas pela primeira vez, que o público não as conhece. Acho que está nisso o segredo da nossa capacidade de revelar para as pessoas uma ideia sobre a obra de Shakespeare”, exemplifica.

Esse raciocínio revela uma generosidade muito grande com o público que, para o ator, é um fator primordial. Durante a entrevista, Thiago Lacerda não economiza palavras para demonstrar o cuidado que os profissionais do teatro devem ter com as pessoas que vão assistir aos espetáculos. “No teatro, a principal preocupação deve ser o público. Essa era a preocupação de Shakespeare”, afirma.

 thiago lacerda

O formato das peças Macbeth (foto) e Medida por Medida foi criado com o intuito de contar as histórias de Shakespeare para o público brasileiro. Foto: João Caldas Filho/Divulgação

Em relação ao festival, Lacerda se mostra entusiasmado para encenar, pois considera que é uma tarefa importante formar uma plateia e fazer com que ela volte sempre ao teatro, considerando todos os empecilhos que acompanham o teatro nacional atualmente. “O público de teatro no Brasil tem sido negligenciado, os preços são complicados e os teatros públicos estão cada vez mais abandonados, assim como a educação. Então se a gente puder fomentar as pessoas e cuidar para que elas voltem ao teatro, isso é um serviço muito grande à nossa profissão”, comenta.

As apresentações de Macbeth acontecem nos dias 25 de março às 21h, e 26 de março às 20h. “Medida por Medida”, ocorre nos dias 26 de março às 16h, e 27 de março às 19h. Os dois espetáculos acontecem no Teatro Positivo. Os ingressos para ambas as apresentações custam R$70,00 (inteira) e podem ser adquiridos nas bilheterias oficiais do evento (Shopping Mueller, Palladium, ParkShoppingBarigui e Pátio Batel) ou pelo site.