A password will be e-mailed to you.

Você provavelmente já perdeu as contas de quantas vezes passou na frente da Fonte da Memória, esse marcante monumento de Curitiba também conhecido como “O Cavalo Babão”, não é mesmo? Mas você já se perguntou a história por trás da obra do artista plástico Ricardo Tod que foi inaugurada há 20 anos, em 1995?

A famosa escultura do cavalo que solta água pela boca e se encontra no Largo da Ordem é uma homenagem aos tropeiros que saíam do interior rumo a Curitiba no século XX e deixavam seus cavalos atrelados no centro da cidade, onde se encontravam os maiores pontos comerciais da capital.

Todavia, muitas lendas urbanas cercam a história do simpático cavalo. Vamos conhecer a mais famosa delas?

O Cavalo Babão do Eclipse

Reza a lenda que um fazendeiro que criava cavalos não queria que sua égua mais bonita desse à luz a um filhote em um fatídico dia de eclipse do século dezenove. De acordo com o senso comum todo cavalo que nascia durante um eclipse ficava “babão” pro resto da vida. Mesmo com a preocupação do fazendeiro, o cavalo acabou nascendo (já babando) mais tarde naquela noite.

O cavalo continuava babando com o passar dos anos e os filhos do fazendeiro tinham o hábito de maltratar o animal. “Vamos jogar pedras no cavalo babão”, diziam eles. O fazendeiro tomou conhecimento desse fato e como ninguém queria comprar o animal, acabou dando-o de presente por intermédio de seus empregados para um garoto que se apaixonou pelo bicho em uma feira no Largo da Ordem.

Encantado, o garoto acabou sendo levado pelo “babão” para um bosque. O cavalo teria lhe revelado um local onde havia um baú com muito ouro e joias. Com o dinheiro, o jovem tentou erguer um monumento para o seu melhor amigo, mas os poderosos da cidade ridicularizaram a ideia. Mesmo assim, ele prometeu para eles que algum dia aquele monumento seria erguido no lugar favorito do cavalo: o Largo da Ordem. Quando o cavalo adoeceu e morreu, o garoto resolveu enterrar o seu corpo ali, onde coincidentemente seria inaugurada a Fonte da Memória cerca de um século depois.

Difícil de acreditar? Mas de fato essa história é conhecida há muitos e muitos anos e tem muita gente que não consegue olhar para o “babão” sem se lembrar dela.

Essa lenda é a versão resumida da escrita por Luciana do Rocio Mallon. Ela pode ser encontrada aqui, juntamente com outras lendas muito interessantes envolvendo a estátua.