A password will be e-mailed to you.

Em um sábado chuvoso e de muito frio, mais de duas mil pessoas se encontram no Teatro Positivo para assistir o esperado espetáculo Poderoso Castiga & Banda do humorista Eduardo Sterblitch, as apresentações aconteceram no último sábado, 31.

O teatro estava lotado, plateia ansiosa e com expectativas a mil “Espero uma boa comedia para sair um pouquinho desse clima frio de Curitiba e dar um pouco de risada” explica Felipe Sanchez Nocilli, 28, pouquinho antes do show. A garoa não espantou a plateia animada aguardando boas risadas, todos bem arrumados acomodando-se em suas poltronas. Muitas fotos e sellfies, todos querendo registrar esse momento de pura euforia.

Luzes apagadas, silencio total. Quando de repente duas mulheres no meio da plateia começam a cantar em vocais alucinantes e entre gritos o “Poderoso” surge do meio do publico que vai ao delírio.

O “Poderoso” é um personagem reacionário e que monta uma igreja com ideias mirabolantes com o intuito de perdoar a todos. Ele entra no palco e pergunta “olá Curitiba vocês estão bem? ”, todos respondem com o famoso bordão do personagem “é mais ou menos” arrancando boas gargalhas. O show conta com uma banda de primeira qualidade que interagem com o publico e até riem alto do espetáculo, como se fossem parte da plateia.

O personagem ficou famoso do programa Pânico na Band em formato talk show, mas no espetáculo ele aposta na interatividade com o publico, interagindo com a plateia e tornando o show imprevisível e dinâmico, dando dicas e sermões a plateia “Temos a celebração de um culto, com direito a louvores, interação com a plateia e muita música”, destaca Eduardo.

O show traz uma temática religiosa muito forte, com uma critica aos dogmas da igreja em uma sátira negra e cheia de palavrões “Não me sinto à vontade para estipular o limite da comédia, mas sim de testá-lo. O desafio de qualquer artista é correr riscos, não de criar limites”.

Fim do espetáculo, plateia satisfeita, vários comentários surgem sobre o show “as expectativas foram todas atendidas eu achei ótimo” comenta Pamela Moraes de 19 anos, mas nem todo mundo gostou do humor acido do comediante “eu achei divertido e bacana, porém algumas partes ele pegou muito pesado com algumas brincadeiras, fiquei constrangida, dei muitas risadas, mas poderia ser um humor mais leve” explica Gisele Zukitto de 25 anos.

Por Bruno Bueno Requena