Uma senha sera enviada para seu e-mail

“Artistas brasileiros que não têm medo de arrochar e botar para torar misturando estilos”. Gostou do propósito? Achou inusitado? Pois conheça, então, a Onça Discos, projeto curitibano do trio Kelvin de Souza, Matheus Mantovani e Rodrigo Ribeiro Pinto que propõe lançar artistas da cena local que tenham algo diferente para apresentar ao público. O selo surgiu neste mês e os sócios prometem levar ao público sons diferentes daqueles que costumeiramente se ouve, com misturas de ritmos e gêneros pouco tradicionais. Embora cada um tenha uma área de atuação dentro do selo, o projeto é fortemente ligado aos três, que são categóricos na hora de aceitar um novo artista: tem que ser unanimidade entre todos.

Para agradar, entretanto, são precisos projetos que sejam autênticos, soem honestos e, na palavra deles, toquem os ouvidos e corações dos envolvidos. Tanto apuro na escolha não é em vão: os sócios da Onça também são músicos – e escolheram um projeto deles mesmos para o pontapé. Ireno, cujo lançamento de dois vídeos inéditos aconteceu nessa semana, é uma dupla composta justamente por Souza e Mantovani. Mas já estão previstos os lançamentos dos compositores Gabriel Gariba e Davi Kalo, além de outros, que eles reservam como surpresa.

Eles contam que os primeiros projetos surgiram de forma bastante espontânea. Por conhecerem diversos artistas com composições não lançadas, ou mesmo ainda nem gravadas, acharam uma boa ideia convidar, um a um, para apresentar a ideia do selo e firmar parcerias. Rodrigo garante que, no momento, somam material e fecham parcerias com compositores locais com a expectativa de colocá-los em evidência. “Reunir os artistas sob um mesmo guarda-chuva, o selo, é somar potências, pois, quando um dos artistas cresce, o selo cresce junto, e, quando o selo cresce, todos os artistas vinculados crescem também”, acredita. O Curitiba Cult vai acompanhar os lançamentos da Onça Discos.