Uma senha sera enviada para seu e-mail

Antes de qualquer crítica, “Planeta dos Macacos: O Confronto” é um filme grandioso e trabalha muito bem em seguir a saga até os próximos capítulos. Porém se mostra algo simples sem aprofundamento e muito longe do que foi esperado. Resumindo, “O Confronto” seria um ótimo filme se não fosse antecedido pelo esplêndido “Planeta dos Macacos: A Origem”. Todos já conheciam a saga dos macacos há um bom tempo e agora estamos tendo a oportunidade de saber como que tudo aconteceu até chegar naquele futuro caótico dominado completamente pelos símios.

Começando por “Planeta dos Macacos: A Origem” que foi incrível em todos os sentidos. Mostrar o crescimento e a formação do macaco César desde quando adotado pelo doutor Will, brilhantemente interpretado pelo carismático James Franco, até vermos aquele macaquinho se tornar em um líder e chefiar uma revolução contra os humanos. Gerou quase 500 milhões de dólares e garantiu assim uma sequência.  A expectativa foi lá no alto com o anúncio e a oportunidade de ver como que os macacos dominariam tudo até ter controle total na volta da espaçonave que dá origem ao filme principal. Na disso aconteceu e pouco alterou na visão geral da trama. Podemos iniciar lá na produção com a mudança de diretor e novos produtores / roteiristas. A eliminação de James Franco e a contratação de novos atores. O filme se passaria 10 anos após o primeiro e novamente apenas em San Francisco. Vários pontos desanimadores no quesito geral da obra e que já mostravam que o trajeto trilhado não seria o esperado.

A trama começa mostrando os macacos caçando, suas residências em meio a floresta, tudo bem humanizado. Todos andando em pé em boa parte do tempo e conversando por linguagem de sinais. É mostrada toda a vila deles, o orangotango Maurice (do primeiro filme) é tipo um tutor e o professor dos pequenos. César já tem filho grande, mulher e um bebê. Eles sabem do vírus que eliminou todos os humanos e não sabem se mais algum ainda vive, já que vivem retirados em meio da mata. Tudo vai bem até um homem entrar lá, ai começa toda a história. E todos os problemas também.

O grande ponto falho do filme são as novidades. Primeiramente são muitos humanos novos inseridos sendo que o negócio era de mostrar os macacos e sua evolução. Entre os novatos temos Gary Oldman, Jason Clarke, Keri Russell e Kodi Smith, além de outros capangas do grupo. Não existia necessidade alguma de inserir nenhum deles, talvez o único que se salvasse seria Clarke por ser um “cientista” e principal contato dos primatas. Não se salva, pois a atuação dele é péssima e forçada. Isso que dá pega ator que só faz papel de brutamonte caricato e botar pra estrelar uma saga desta. Oldman é um grande ator e não tem importância alguma na história inteira, não se sabe o que ele é e muito menos a razão do que faz. Os outros dois pior ainda e mais sem sentido, servem de família do principal e tentam ficar colocado passados em jogo. É inadmissível não mostrar Will (apenas em fotos) e encher de personagens sem importância alguma. Outro ponto é que se os humanos sempre tiveram armamento e tudo mais dos militares, por qual razão não foram atacar os macacos e pegar eles de surpresa já que a intenção sempre foi de exterminá-los. Fora que passaram 10 anos sabendo que a energia acabaria e deixam tudo pra última hora.

Vejam só que intrigante, o melhor do filme são os macacos. Quem imaginaria que um filme sobre macacos, com titulo de Planeta dos Macacos, o personagem principal é um macaco, e logo os macacos que salvariam a produção? Chega a parecer um absurdo isso, mas pelo jeito só diretores não notaram quem merecia destaque total. Pularam os 10 anos de evolução dos primatas, que mostrariam como eles se adaptaram sozinhos, se criaram, estabeleceram, cresceram e tudo mais, além de mostrar a doença dizimando a humanidade. Não, simplesmente tudo isso foi cortado e fica na imaginação de cada um descobrir como aconteceu. Os parabéns vão para as “atuações” dos macacos César, Maurice e o vilão Koba.  São eles que retratam a transformação de simples primatas em macacos bem dizer humanos. A fotografia é excelente e a cena de batalhas também, principalmente quando Koba assume o tanque de guerra. *Não assistam em 3D, pois não melhora em nada e ainda estraga a qualidade das cenas*

O filme acaba por ser quase nulo, tudo porque todo mundo já sabiam quem ganhava o confronto e acaba esperando 2 horas apenas pra ter essa confirmação. Faltou explorar a evolução dos macacos e não intrigas com humanos. Agora é esperar qual será o foco da continuação, se teremos mais um avanço temporal culminando no filme original, ou mais um enrolo só pra ganhar dinheiro e sem avanços na história.

 Adalberto Juliatto para o Curitiba Cult