A password will be e-mailed to you.

A sétima arte nos permite entrar e vivenciar mundos e histórias que jamais teríamos possibilidade de imaginar caso ela não existisse. Claro, há a literatura e há o teatro, mas apenas o cinema traduz em imagens as épocas e contextos de que apenas tínhamos ouvido falar. O cinema nos permite ver e viver outras vidas. Como ferramenta histórica, a cada ano o cinema nos presenteia com histórias épicas como Ben-Hur, trágicas como Titanic e fantasiosas como Star Wars.

Para o Dia Nacional da Consciência Negra, resolvemos listar aqui 7 filmes sobre o racismo e a situação escravagista que são fundamentais. Nem todas são necessariamente obras-primas da sétima arte, ainda que haja algumas, porém são fundamentais para que possamos melhor compreender quais eram os contextos históricos e sociais durante essa parte triste da nossa história. Vamos lá?

1. 12 anos de escravidão

O filme conta a história real do negro Solomon Northup, que, em 1841, vivia junto com sua família. Violinista notável, Solomon foi chamado para um trabalho em outra cidade, onde foi acorrentado e, posteriormente, vendido como escravo. Mesmo sendo um negro livre, foi aprisionado pelo racismo. Pelos próximos 12 anos, Solomon teve que aguentar as mesmas humilhações físicas e psicológicas que os outros escravos vivenciaram naquela época. Um detalhe pouco mencionado mas fundamental nessa obra é que o diretor Steve McQueen é também negro. Pode parecer bobeira, mas isso será fundamental quando formos falar de outro filme sobre a escravidão. Vencedor de 3 Oscar (Melhor Filme, Roteiro Adaptado e Atriz Coadjuvante, com a fantástica Lupita Nyong’o), 12 anos de escravidão é um filme forte, contundente e essencial.

2. Que horas ela volta?

Brasil, dias atuais. Uma empregada doméstica que é “quase da família” trabalha rotineiramente atendendo os desejos de seus patrões. Um dia, ela recebe a notícia que a sua filha, que tinha deixado para trás no Nordeste para vir trabalhar, está vindo para São Paulo fazer o vestibular. Com a chegada da menina, todas as dinâmicas serviçais, rotineiras e todo o status quo daquela microssociedade se transformam abruptamente, mostrando de forma clara como a herança escravagista do país ainda está entranhada nos alicerces da sociedade, mesmo que nem percebamos isso. Que horas ela volta? é o filme escolhido pelo Brasil para concorrer ao Oscar em 2016. Uma obra cativante, com atuação memorável de Regina Casé e com uma história tão atual quanto antiga.

3. Selma

1965. Alabama. Um homem chamado Martin Luther King Jr. é um dos principais líderes do movimento dos direitos civis dos negros nos EUA. No mesmo ano em que recebeu o Prêmio Nobel da Paz pelo seu ativismo político e pacífico contra as desigualdades raciais, Luther King ajudou a organizar a marcha que sairia da cidade-título do filme rumo à capital do estado, Montgomery. Mas é óbvio que a sociedade não iria permitir que isso acontecesse de forma tão simples. Vencedor de 1 Oscar (Melhor Canção Original – Glory), Selma retrata um capítulo pontual, porém fundamental no progresso antirracial na sociedade estado-unidense.

4. Histórias Cruzadas

Também ambientado na década de 60 nos EUA, Histórias Cruzadas conta a história de uma jornalista recém-formada que, ao retornar para sua pequena cidade de origem, começa a questionar o tratamento dado pelos brancos às suas empregadas domésticas, negras. Então ela decide escrever um livro contando o ponto de vista dessas negras em relação à sociedade, dando voz a quem nunca tinha tido essa oportunidade. Porém, Histórias Cruzadas é um filme problemático. Não apenas enquanto filme, mas principalmente enquanto mensagem.

Ele existe para contar a realidade das mulheres negras nessa época e nesses estados sulistas, porém a maior parte do filme se passa nas casas de seus empregadores, não nas casas delas. Por isso, apesar de se propor a mostrar a vida dessas mulheres, elas nunca são realmente mostradas. Mas o principal demérito do filme reside na mensagem final da história, afinal, são as pessoas brancas que, de uma forma ou de outra, salvam e ajudam as negras (daí o nome original do filme, The Help). Isso é uma autoindulgência absurda e egoísta, dizendo que, se não fossem por eles “brancos”, o que seriam delas, “negras”? E tanto o diretor quanto a autora do livro que deu origem ao filme são brancos. Pode parecer bobeira, mas se compararmos a relevância dessa história com a relevância do 12 anos de escravidão, faz muito sentido. Vencedor de 1 Oscar de Atriz Coadjuvante para Octavia Spencer (Viola Davis merecia bem mais), Histórias Cruzadas é um filme cuja mensagem é problemática, porém, enquanto recorte histórico, é soberbo.

5. Cara gente branca

Esse filme independente de 2014 é praticamente desconhecido do grande público. Porém, é um dos que melhor abordam essas questões raciais impregnadas na sociedade atual. Utilizando situações exageradas e diálogos afiadíssimos carregados de ironia e sarcasmo, o longa começa quando um grupo de alunos brancos de um colégio decidem fazer uma festa com temática negra. Óbvio que eles fazem tudo errado, o que leva os alunos negros a fazerem uma manifestação. E aí… Bom, tem que assistir. Vencedor de vários prêmios de festivais independentes, Cara gente branca é o filme que você tem a obrigação de mostrar para aquela pessoa que insiste em dizer que existe “racismo inverso”.

6. Quilombo

Esse é um filme nacional, coproduzido com a França e conta a história de um grupo de escravos que se rebelam e fogem, por entre as matas, até chegarem ao famoso Quilombo dos Palmares. Lá eles encontram centenas de outros escravos fugitivos que lutam para manter o cerco contra o exército imperial, conhecendo o lendário Zumbi dos Palmares, cuja morte serve de tema para o Dia Nacional da Consciência Negra.

7. Quanto vale ou é por quilo?

Outra produção nacional, esse é um filme difícil de ser explicado sem entrar em maiores detalhes contextuais e narrativos. Porém, podemos dizer que ele faz um paralelo entre o comércio de escravos de séculos atrás com a atual miséria da população e de que forma essa miséria é explorada pela mídia, pelo governo e pela sociedade. Não é um filme fácil, mas é uma obra crua e honesta.