Uma senha sera enviada para seu e-mail

Um dos pontos altos do YouTube se assumir como uma rede social que busca interação entre youtubers e espectadores é a quantidade de vídeos e campanhas lançadas sobre direitos humanos, identidade de gênero e combate ao preconceito de qualquer tipo. Alguns desses trabalhos ajudam a elucidar a luta por garantias sociais às minorias e explicam, de forma informativa e lúdica, por que tais pautas fazem sentido no contexto nacional.

Alguns são tão marcantes que, mesmo eu os tendo assistido há alguns anos, ainda fazem total sentido na forma que enxergo e guio minha vida. É o caso de O perigo de uma única história, da Chimamanda Adichie, tema de texto aqui na coluna, inclusive. Outros, conheci ao longo deste ano, mas me arrepiaram tanto que tive que usar o youtubereplay para assisti-los várias vezes seguidas. Então, sem mais delongas, segue a lista com 6 vídeos para você assistir antes do fim do ano:

Meu Corpo, Minhas Regras

O vídeo fala sobre a relação da mulher com a gravidez e como a sociedade constrói um tabu em volta desse momento. É quase como se a mulher passasse a não ter poder nenhum sobre o seu próprio corpo. A campanha foi criada pela produtora do filme Olmo e A Gaivota, que recebeu comentários machistas e preconceituosos depois que a diretora, Petra, fez um discurso na premiação do Festival do Rio.

O câncer de mama no alvo da moda

Uma campanha bem intimista sobre as ideias que permeiam o câncer de mama e o corpo da mulher. Diversos artistas globais foram convidados para falar sobre suas experiências com a doença e posar para uma campanha do Alvo Azul. A surpresa fica por conta da conversa com a fotógrafa.

Não tira o batom vermelho

A Jout Jout é uma pessoa maravilhosa, o seu canal é maravilhoso e o Não tira o batom vermelho é um dos seus melhores vídeos. Ele fala sobre relacionamentos abusivos de uma forma diferente, sem perder a seriedade que o tema precisa ter. Ela é uma vlogger do tipo que te faz ter vontade de ver um vídeo atrás do outro, e são muitos, e são bons.

Como você viveria se não pudesse amar?

Esse vídeo se passa em uma sociedade fictícia com valores invertidos. Ser homossexual é o normativo e a heteressexualidade é uma orientação considerada desviante. O objetivo é virar a mesa das noções atuais e mostrar o preconceito que permeia as relações entre o que é comum e o que “sai do normal”.

Você se sente confortável com seu corpo?

Quando foi a última vez que nos sentimos seguros em nossa própria pele? Esse vídeo faz um comparativo entre as respostas de adultos e crianças para a pergunta: Se você pudesse mudar uma coisa no seu corpo, o que seria?

O perigo de uma única história

Como eu já contei no texto que linkei ali em cima, esse vídeo de 2013 conta a história da escritora nigeriana Chimamanda Adichie e como ela se deu conta da falta de autenticidade nas histórias sobre a África. Na busca pela sua voz cultural, a autora se deparou com as mesmas histórias ocidentais que falavam sobre a miséria no continente. Portanto, ela ressalta os equívocos que essas histórias singulares trazem sobre uma pessoa ou país.

Existem muitos outros vídeos incríveis sobre direitos humanos e empoderamento. Eu escolhi esses 6, em um primeiro momento, por terem um significado especial na minha vivência atual. Eu gostaria de saber de vocês: quais vídeos marcaram seu ano de 2015? Compartilhe conosco nos comentários.